Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Diogo de Torralva

Escultor e arquiteto do século XVI, não se sabe exatamente a sua proveniência, apontando-se como hipóteses tanto o Piemonte como Espanha. Em Portugal casou no ano de 1534 com a filha de Francisco de Arruda, o construtor da Torre de Belém, e regista-se a atividade de um seu irmão, Gonçalo de Torralva, enquanto "trabalhador" de pedra em locais como Tomar, Miranda do Douro e Guarda. Com um estilo ainda renascentista no início dos seus trabalhos em Portugal, depressa Diogo de Torralva se imporia como um dos principais introdutores e expoentes da corrente maneirista no seu tempo no País. O contrato mais antigo que se lhe conhece foi o que efetuou para o projeto do túmulo de D. Luís da Silveira (Góis), em 1529, tendo a execução estado a cargo de Diogo de Castilho. Em 1534 tornou-se mestre das obras régias e dois anos depois foi encarregue da construção da igreja de Nossa Senhora da Graça (Évora). A capela-mor da igreja do Mosteiro dos Jerónimos (Lisboa) conheceu também a sua intervenção, entre os anos de 1550 e 1551, mas seria Jerónimo de Ruão quem a concluiria em 1571. Registou-se a presença deste arquiteto na cidade africana de Mazagão no ano de 1541, com a função de inspecionar as obras que a coroa estava a levar a cabo neste posto, e três anos depois projetou uma outra igreja para Évora: a do Bom Jesus de Valverde. Assumiu o cargo de mestre das obras dos Paços de Évora e da totalidade do que era o Alentejo em 1548, uma vez que Francisco de Arruda, seu sogro e até então no desempenho destas funções, faleceu. Portalegre recebeu nesta altura o projeto seu de um túmulo para D. Jorge de Melo, e em 1549 pensa-se que terá projetado a ermida de Santo António em Lisboa. O Templo da Conceição de Tomar e o Convento da Madre de Deus de Lisboa teriam recebido igualmente a sua intervenção. Entre os anos de 1554 e 1562, trabalhou no Convento de Cristo de Tomar, tendo projetado a partir de 1557 o claustro maneirista (atribuindo-se-lhe igualmente um medalhão com o que será o seu retrato) e, no mesmo ano, segundo o Cardeal Saraiva, trabalhava também como arquiteto no Mosteiro da Batalha.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Diogo de Torralva na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-14 01:44:37]. Disponível em
Artigos
ver+

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais