Academia Virtual - O Poder da Voz

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Diogo Relvas

Personagem da obra Barranco de Cegos (1962) de Alves Redol. No contexto histórico visado por Barranco de Cegos, o período de falência nacional que sucedeu ao Ultimato inglês de 1890, a figura de Diogo Relvas, um proprietário ribatejano, em luta contra a invasão das indústrias e dos interesses financeiros, num contexto de progressiva afirmação do capitalismo, é construída de forma complexa, dada a variedade de modos de caracterização a que o narrador recorre. Poderoso patriarca que domina a família, congéneres e servos com uma autoridade que infunde nos que com ele lidam ódio, temor ou respeito, Diogo Relvas representa a pujança e carácter empreendedor de um Portugal rural, que recusou "a preguiça, o aborrecimento e a poltranice que [...] amerdalha o sangue", que repudia essa "raça de sonâmbulos" gerada nos Descobrimentos, momento decisivo para o despoletar da decadência nacional; que despreza os fracos e todos os responsáveis pelo descalabro do presente. Ao mesmo tempo, apresenta-se como reverso do progresso e da industrialização (sobretudo, quando significam a entrega do país ao domínio dos estrangeiros) e como representante derradeiro de um poder que se extinguiu com o liberalismo, diretamente legado por um Portugal feudal e antidemocrático. Dentre os traços que caracterizam esta personagem modelada, avultam, como lema do poderio dos Relvas, "a objetividade, a coragem no essencial, o amor pela perfeição e a pertinácia"; a astúcia, sobranceria e orgulho, no trato comercial e político; e, no trato humano, como modelo de comportamento o da domesticação do cavalo no picadeiro, doseando com a mesma medida o "chicote" e o "açúcar".
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Diogo Relvas na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-10-01 19:57:58]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais