Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Domingos Bomtempo

Pianista e compositor, foi um dos reformadores da música portuguesa da sua época. João Domingos Bomtempo nasceu em Lisboa, a 28 de dezembro de 1771, e morreu a 18 de agosto de 1842. Descendia do músico italiano Francisco Xavier Bomtempo. Depois de ter concluído os estudos de Música, estudou oboé e contraponto com o seu pai no Seminário Patriarcal de Lisboa. Aos 14 anos ingressou na Irmandade de St.a Cecília como cantor da capela real da Bemposta.

Após a morte do pai, partiu para Paris (1801) com uma carta de recomendação do Barão do Sobral. Durante a estadia em Paris contactou com grandes músicos como Clemente Muzio e o seu discípulo John Field, que o influenciaram artística e estilisticamente. Desde então publicou uma série de obras, de que se destacam Grande Sonata Pour le Piano Fort e Composé et dedié à son Altesse Royale la Princesse de Portugal. Algum tempo depois produziu um Primeiro Concerto em Mi Bemol Para Piano e Orquestra e Variações Sobre o Minueto Afandagado. Teve o privilégio de tocar com o primeiro rabequista francês Filipe Liber. Em 1809 compôs a sua primeira grande sinfonia de orquestra, que seria executada um ano depois.
João Domingos Bomtempo - de entre as suas obras, destaca-se a "Missa de Requiem" em homenagem a Luís de Camões

Após as várias vitórias do exército português sobre o exército de Napoleão, Domingos Bomtempo partiu para Londres onde se tornou uma celebridade. Foi nesta cidade que grande parte das suas obras foram impressas. Para a celebração da expulsão dos franceses de Portugal, compôs uma cantata intitulada Hino Lusitano, com versos de Nolasco da Cunha. Em seguida publicou a Primeira Sinfonia para Dois Executantes a Piano; Quarto Grande Concerto para Pianoforte (foi executado pelo músico num concerto em Hannover Square); Uma Sonata Fácil; Grande Fantasia; Duas Sonatas e Uma Ária Popular para Piano Forte

Em 1815 voltou para Portugal. Aquando da ascensão ao trono do rei D. Fernando IV de Espanha foi-lhe encomendada uma obra que ele denominou de Anúncio da Paz. Voltou para Paris em 1818 mas a política baniu a vida artística. De regresso à pátria, compôs Requiem à Quatre Voix... consalée à la memoire de Camões. A 28 de março de 1821, fez ouvir em S. Domingos uma nova missa em homenagem à Regeneração portuguesa, seguida de um Te Deum. Tornou-se o músico oficial do constitucionalismo. 

Escreveu uma sinfonia fúnebre e um Liberta-me para celebrar o primeiro aniversário da morte de D. Pedro (1835). Nesse mesmo ano fundou o conservatório do qual foi diretor. A 7 de agosto de 1842 alunos e professores do Conservatório executaram uma missa festiva na Igreja dos Caetanos, escrita e dirigida pelo músico. Passados onze dias deste acontecimento morreu. D. Maria II fez-lhe pomposas exéquias.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Domingos Bomtempo na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-05-19 22:40:41]. Disponível em

Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros