Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Dorival Caymmi

Cantor e compositor brasileiro, Dorival Caymmi nasceu a 30 de abril de 1914 em Salvador, na Baía, e faleceu a 16 de setembro de 2008, no Rio de Janeiro. Nascido numa comunidade pré-industrial, algo distante do referencial da praia de Itapoã, o jovem Dorival foi forçado a interromper os estudos para trabalhar. A pobreza da família não permitia o sustento do seu estudo e, então, deu-se aos ofícios díspares de escriturário, vendedor de bebidas, barbeiro, ilustrador e até repórter. O pai, Durval Henrique Caymmi, era funcionário público e músico amador. Ainda na infância, o jovem Dorival integrou o coro da igreja local, aprendendo a tocar guitarra um pouco mais tarde. Não tardou até que, motivado pelo seu espírito de descobridor, ensaiasse as primeiras composições, a nascerem com os primeiros acordes dos seus dedos. Aos 20 anos, cantava na Rádio Clube da Bahia e, dois anos mais tarde, venceu um concurso de músicas de Carnaval com o samba "A Bahia Também Dá". Com 24 anos, toma a iniciativa de partir para o Rio de Janeiro. Na época, eram poucos os baianos do sul que se atreviam a uma migração dessas. Mas o destino parecia estar com ele. Há poucos meses na então capital brasileira, Dorival Caymmi é procurado por João de Barro, o Braquinha, renomado compositor carioca que, conhecendo-lhe as origens, via nele uma boa ajuda para escrever uma canção sobre a Baía. O trecho seria cantado por Carmen Miranda, no musical Banana da Terra. Assim iniciava o percurso de Dorival Caymmi. "O Que é Que a Baiana Tem", celebérrima composição, tornar-se-ia um dos marcos da carreira de ambos: para Carmen Miranda, porque lhe inspiraria a imagem que fez dela uma celebridade mundial; para Caymmi, porque mostrava ao mundo a estirpe das suas composições. Os êxitos seguintes, "Rainha do Mar" e "Promessa de Pescador", levaram-no a atuar na rádio Nacional, onde viria a conhecer a cantora Stella Maris, com quem casaria em 1940. Com ela teria três filhos, todos eles músicos: Nana, Dori e Danilo Caymmi.
Vincadamente ligado à Baía, as suas canções retratavam recorrentemente as praias e as gentes, as baianas e os pescadores, bem como os costumes tradicionais. Foi assim que se tornou um dos principais embaixadores da etnografia baiana, levando-a aos quatro cantos do Brasil, primeiro, e do mundo, depois. No final da década de 40, com um estatuto firme de compositor, Dorival Caymmi intensificou a sua dedicação à pintura e ao desenho. É no início da década de 50 que começa a deixar-se seduzir pelos ritmos cariocas e pela magia do samba. "Marina", de 1947, é a primeira canção dessa fase mais sambista, claramente influenciada pelos anos de vida no Rio de Janeiro, coisa que induziu outra urbanidade na sua música. "Não Tem Solução" e "Sábado em Copacabana", gravadas por Lúcio Alves - tornar-se-ia um dos símbolos do sambismo de Dorival Caymmi - e escritas em parceria com Carlos Guinle, confirmavam essa tendência. Nesta época, outro caminho era iniciado por Caymmi, assumindo-se também como intérprete da sua obra, especialmente a partir de 1955. Com a eclosão da bossa nova, Dorival Caymmi seria considerado um dos predecessores do género, dizendo-se que a alma baiana da sua música teria sido o ponto de partida para as descobertas de João Gilberto. As gravações históricas, deste, das canções "Rosa Morena", "Doralice", "Samba da Minha Terra" e "Saudade da Bahia", ligavam o nome de Caymmi à bossa nova. A amizade com Tom Jobim, admirador do modernismo das composições de Caymmi, ajudaria a firmar esse estatuto. Em 1965, a gravação da valsa-samba "Das Rosas", passada para o inglês por Ray Gilbert, é um êxito estrondoso no mercado americano, na voz de Andy Williams e motivou algumas atuações de Dorival Caymmi nos EUA.
Em 1972, gravou um disco de canções religiosas, contendo a famosa "Oração de Mãe Menininha", dedicada a uma célebre mãe de santo baiana, a Menininha do Gantois. Três anos depois, "Modinha para Gabriela", outra das mais conhecidas composições de Caymmi, receberia a voz de Gal Costa, para a novela Gabriela, da rede Globo, baseada no romance Gabriela, Cravo e Canela, do seu grande amigo Jorge Amado. Durante a década de 80, é alvo de diversas homenagens dentro e fora do Brasil. Em 1984, por altura do seu septuagésimo aniversário, foi condecorado, pelo ministro da Cultura francês, com a Comenda das Artes e Letras de França. No ano seguinte, é inaugurada uma avenida com o seu nome, em Salvador. Com aparições públicas menos numerosas e limitadas essencialmente a atuações com os seus filhos, destacou-se a sua presença no Festival de Montreux, na Suíça, em 1991. No final de 1993 é editado Songbook Dorival Caymmi, com quatro discos compactos a percorrerem toda a sua obra, com as vozes mais célebres da MPB.
Discografia
1957, Caymmi e o Mar
1957, Eu Vou pra Maracangalha
1957, Ary Caymmi Dorival Barroso
1959, Caymmi e Seu Violão
1961, Eu Não Tenho Onde Morar
1964, Caymmi Visita Tom e Leva Seus Filhos Nana, Dori e Danilo
1965, Caymmi (Kai-ee-me) and The Girls From Bahia
1965, Sambas
1967, Vinícius e Caymmi no Zum-Zum
1969, Dorival Caymmi
1969, Encontro com Dorival Caymmi
1972, Caymmi
1973, Caymmi Também É de Rancho
1984, Setenta Anos Caymmi
1984, Caymmi in Bahia
1985, Caymmi - Som, Imagem e Magia
1986, Caymmi's Grandes Amigos" - com Nana, Dori e Danilo Caymmi
1987, Dori, Nana, Danilo e Dorival Caymmi
1991, Família Caymmi em Montreux
1994, Aloysio de Oliveira Apresenta Dorival Caymmi - Histórias de Pescadores
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Dorival Caymmi na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-17 05:47:06]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros