Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Edith Södergran

Poetisa finlandesa de expressão sueca, Edith Södergran nasceu a 4 de abril de 1892, em São Petersburgo, na Rússia. Oriunda de uma família burguesa, era filha de um funcionário das indústrias de Alfred Nobel. Em 1902 ingressou no Colégio Alemão Petri-Schule de São Petersburgo, o que lhe propiciou uma forte paixão pela poesia alemã, e a levou a escrever os seus próprios primeiros poemas nesse idioma.
Contraindo tuberculose, o pai decidiu procurar tratamento num sanatório em Nummela, em território finlandês. Regressando em 1907, acabou por contagiar a filha, que se viu assim também forçada ao repouso dos ares de Nummela, entre 1909 e 1911. Partiu em seguida para a Suíça e, conseguindo recuperar da doença, pôde regressar à Finlândia em 1914.
Com a deflagração da Primeira Grande Guerra, Edith Södergran tomou refúgio em casa de família na orla da floresta de Raivola, junto à Rússia, onde conseguiu amealhar poemas suficientes para formar o corpo do seu primeiro volume, Dikter (1916), coletânea escrita em sueco e que passou despercebida pela crítica. Por instigação de Hugo Bergtroth havia começado a escrever nessa língua, e os seus esforços haviam sido encorajados por entendidos como o escritor Arvid Mörne.
Em 1917 visitou Helsínquia, onde conheceu escritores como Juhani Aho e Eino Leino mas, com a chegada da Revolução Russa em outubro do mesmo ano, viu expropriada a propriedade da família e, com o rebentamento da Guerra Civil da Finlândia, seguiram-se anos de privações e pobreza extrema.
Em 1918 publicou uma outra coletânea, Septemberlyran, em que procurava propagar um entusiasmo dionisíaco inspirado em Friedrich Nietzsche, e que gerou controvérsia na imprensa ao ignorar a intenção de Södergran em mitigar os ódios políticos que viraram finlandeses contra finlandeses numa guerra civil sangrenta e desumana.
Em 1919 apareceram Brokiga Jakttagelser e Rosenaltaret, em que Södergran abandonava os ideais de Nietzsche para se reconciliar com a religião. No ano seguinte seria a vez de Framtidens Skugga (1920), o último livro publicado durante a vida da poetisa. Aderiu, pouco tempo depois à Sociedade Antroposófica, e passou os seus últimos anos de vida estudando os ensinamentos de Rudolf Steiner e escrevendo alguns poemas dispersos, que seriam recolhidos pela mão do poeta Elmer Diktonius e publicados postumamente em 1925.
Edith Sodergran faleceu em Raivola, vítima da tuberculose, a 24 de junho de 1923.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Edith Södergran na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-05-25 21:40:19]. Disponível em

Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais