Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Eduardo Coelho

Cardiologista e professor universitário português, Eduardo Carneiro de Araújo Coelho nasceu a 7 de setembro de 1896, em Santo Tirso, no distrito do Porto.
Em 1922, terminou o curso de Medicina pela Universidade de Lisboa e, no ano seguinte, doutorou-se, com 20 valores, com a tese Das Relações do Estado Cerebral com o Estado Mental, onde defendeu, de acordo com casos neurológicos, a relação entre o sistema nervoso e os fenómenos psíquicos como solução para o problema mente-corpo. Os conhecimentos adquiridos ao longo da sua colaboração em várias clínicas escolares, entre as quais a de neurologia, com a cooperação do Professor Egas Moniz, serviram de base para este trabalho. Em 1924, iniciou a sua carreira docente, jubilando-se, como professor catedrático, em 1965.
Em 1925, fundou o Laboratório de Electrocardiologia do Hospital de Santa Maria e, em 1928, o Laboratório de Fisiologia Patológica. Foi diretor da Clínica Universitária de Propedêutica Médica, da Clínica de Cardiologia do Hospital de Santa Maria (a ele se deve a individualização da cardiologia) e do Centro de Cardiologia do Instituto de Alta Cultura.
Publicou vários trabalhos sobre cardiologia e endocrinologia, trabalhos terapêuticos e experimentais e também sobre questões ligadas à universidade, como A Finalidade da Universidade e o Problema da Universidade Portuguesa (1934), A Cultura Humanista e a Medicina (1936), A Cadeira Propedêutica Médica (1961), entre outros.
Eduardo Coelho faleceu a 10 de julho de 1974, em Lisboa.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Eduardo Coelho na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-03 12:08:02]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros