Academia Virtual - O Poder da Voz

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Elias Lönnrot

Médico, linguista, filólogo e etnógrafo finlandês, Elias Lönnrot nascido em 1802, em Sammatti. Filho de um alfaiate, foi graças ao apoio do irmão mais velho que a família conseguiu enviar o jovem Elias Lönnrot para Tammisaari e para Turku, onde estudou Latim e Sueco, entre 1814 e 1818.
Devido a dificuldades financeiras, viu-se forçado, de modo a poder continuar os seus estudos, a trabalhar como alfaiate, deambulando de aldeia em aldeia em busca de serviço, isto numa época em que era comum aos aspirantes a estudantes esmolar por comida e dinheiro, muitas das vezes cantando as alminhas.
No mês de março de 1820, Elias Lönnrot conseguiu ser admitido no liceu de Porvoo mas, ao fim de poucas semanas, já estava a caminho de Hämeenlinna para começar como aprendiz de farmacêutico. Dois anos depois, no entanto, e através lições particulares, conseguiria dar entrada na Universidade de Turku, a primeira e então única universidade do território finlandês.
Ingressando na Academia de Turku em 1822, onde teve como colegas Johan Ludvig Runenberg e o futuro senador Johan Vilhelm Snellman, veio a obter a sua licenciatura cinco anos mais tarde. Como a sua tese tinha sido dedicada aos poemas populares tendo Väinämöinnen como tema, empreendeu, no ano seguinte, uma viagem com o fim de recolher mais poesia popular. Entre 1829 e 1831, Lönnrot publicou, com os seus fundos pessoais, quatro volumes de poesia intitulados Kantele.
Após o incêndio que devastou Turku, fazendo com que a universidade se passasse para Helsínquia, Elias Lönnrot iniciou estudos em Medicina, tendo a sua dissertação final, que lhe concedeu a licenciatura em 1832, tratado o assunto da magia curativa finlandesa. Passou depois a trabalhar como médico-assistente distrital em Oulu, onde presenciou cenas de fome, disenteria e febre tifoide.
Entre 1833 e 1853, Lönnrot viveria em Kajaani, perto da Carélia russa, onde desempenhou as funções de médico distrital. Fez viagens de campo à Lapónia, à Estónia e junto das comunidades de língua finlandesa no Noroeste da Rússia, recolhendo poemas e estudando as relações entre os idiomas fino-ugricos. No tempo que passou em Kajaani, Lönnrot preparou as suas coletâneas para edição. Em 1835 apareceria Vanha Kalevala, o velho Kalevala, depois seria a vez de Kanteletar, em 1840, e Uusi Kalevala, o novo Kalevala, em 1849.
Nesse ano de 1849, Lönnrot casaria com Maria Piponius, vinte anos mais nova e Pietista. Antes desse acontecimento, o etnógrafo havia demonstrado uma propensão anormal para o consumo de bebidas alcoólicas, ao despender cerca de cem rublos, o preço de cinco vacas, em bebidas. Fundaria a primeira sociedade de temperança finlandesa, a Selveys-Seura, ou o clube das cabeças lúcidas, não tendo grande número de aderentes.
Em 1853 foi nomeado professor de Língua e Literatura Finlandesas na Universidade de Helsínquia, onde permaneceu até 1862. Após a sua reforma, passou os seus dias na província de Sammatti, no Sul da Finlândia, onde escreveu um dicionário finlandês-sueco-finlandês em dois volumes, aparecendo ao público entre 1866 e 1880, e publicou uma coletânea de poemas mágicos finlandeses, em 1880.
Veio a falecer, em Sammatti, a 19 de março de 1884.
Nas suas viagens tocava flauta, sabendo também cantar e acompanhar-se à harpa tradicional finlandesa, o kantele.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Elias Lönnrot na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-09-30 17:05:00]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais