Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Elias Santana

Personagem da obra Balada da Praia dos Cães (1982) de José Cardoso Pires. Chefe de brigada responsável pela investigação do homicídio do ex-major do exército Luís Dantas Castro, encontrado morto na Praia do Mastro. Magistralmente interpretado por Raul Solnado na adaptação do romance feita ao cinema por João Fonseca e Costa, de Elias, alcunhado de o Covas, é apresentado, nas primeiras páginas do romance, o seguinte retrato físico: "Indivíduo de fraca compleição física, palidez acentuada, 1 metro e 73 de altura; olhos salientes (exoftálmicos), denotando um avançado estado de miopia, cor de pele e outros sinais reveladores de perturbações digestivas. No aspeto exterior nada de particular a registar como circulante do mundo em geral a não ser talvez a unha do dedo mínimo que é crescida e envernizada [...], veste habitualmente casaco de xadrez, calça lisa e gravata de luto [...]; caranguejo de ponteiros fluorescentes [...], que usa no bolso superior do casaco com amarra de ouro presa à lapela; farolins de lentes grossas, à toupeira, com comportamento mortiço; carece de capilares no couro cabeludo, o crânio é pautado por cabelinhos poucos mas poupados, e distribuídos de orelha a orelha." De seu nome completo Elias Cabral Santana, investigador experiente e reconhecido pela sua eficácia, presta serviço na brigada de homicídios há mais de vinte anos; sujeito desencantado, chão, solitário, de sangue frio, não há nada na sua vida a assinalar, a tal ponto as suas emoções se encontram adormecidas, o que em tudo o aproxima do seu animal de estimação, o lagarto Lizardo, inclusivamente no modo de atuar: na sua atuação de investigador estão, segundo o narrador, "bem à prova o apagamento solitário com que ele se sabe imobilizar à vista da presa e a surpreendente brusquidão com que depois desfere o golpe". A solidão, a frustração sexual e a omnipresença da morte são temas fulcrais no tratamento desta personagem, e é através desses temas que se esboça uma imagem mais vasta da sociedade e do país.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Elias Santana na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-04 01:15:19]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros