Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Elvas

Aspetos Geográficos
O concelho de Elvas, do distrito de Portalegre, localiza-se no Alentejo (NUT II), no Alto Alentejo (NUT III), ocupa uma área de 631,3 km2 e abrange 11 freguesias: Ajuda Salvador e Santo Ildefonso, Alcáçova, Assunção, Barbacena, Caia e São Pedro, Santa Eulália, São Brás e São Lourenço, São Vicente e Ventosa, Terrugem, Vila Boim e Vila Fernando.
O concelho encontra-se limitado a norte pelo concelho de Arronches, a nordeste pelo de Campo Maior, a oeste pelo de Monforte, a sul pelo de Vila Viçosa (distrito de Évora), a sudoeste pelo de Borba (distrito de Évora) e a sudeste por Badajoz, em Espanha.
Brasão do concelho de Elvas
Aqueduto da Amoreira, Elvas
Casario de Elvas
O concelho apresentava, em 2005, um total de 22 742 habitantes.
O natural ou habitante de Elvas denomina-se elvense.
Possui um clima marcadamente mediterrânico, caracterizado por uma estação seca bem acentuada no verão. A precipitação ronda os 500 mm entre os meses de outubro e março e os 170 mm no semestre mais seco.
O edificado estende-se na encosta de um monte, que é rodeado de extensas áreas planas. A nível de elevações, serão de referir os montes Gebarela (465 m), Perdigão (321 m), Enxara (225 m) e Freixial (223 m).
Como recursos hídricos, possui o rio Caia e a sua albufeira homónima, o rio Guadiana, a ribeira de Pereira, a ribeira Velha, a ribeira do Ceto e a ribeira do Caiola.
História e Monumentos
A fundação de Elvas é atribuída aos Romanos, existindo vestígios em vários pontos do concelho. No reinado de D. Afonso Henriques, mais precisamente em 1166, Elvas foi conquistada aos mouros pela primeira vez; reconquistada e perdida de novo, sendo integrada definitivamente em território português por D. Sancho II, em 1229.
O primeiro foral foi-lhe outorgado em 1229, por D. Sancho II, teve um novo foral em 1513, concedido por D. Manuel I, que marcou a elevação de Elvas à categoria de cidade.
A 14 de janeiro de 1659, as suas linhas de muralhas e os fortes de Santa Luzia e da Graça tiveram um papel defensivo importante no desfecho da Guerra da Restauração, na batalha das Linhas de Elvas.
O património arquitetónico e monumental é muito rico, tanto no aspeto militar como religioso. Assim, a nível militar e defensivo, destaca-se, desde logo, o Castelo de Elvas, com uma praça de armas com a forma de um polígono irregular, com o diâmetro máximo de 1000 metros. A entrada da alcáçova faz-se por três portas principais - a da Esquina, a de Olivença e a de S. Vicente. A torre de menagem foi reconstruída em 1488.
O forte de Nossa Senhora da Graça, ou de Lippe, fica situado a pouco mais de um quilómetro ao norte da praça-forte de Elvas, no vértice de um imponente monte rochoso. É uma verdadeira obra-prima da arquitetura militar europeia do século XVIII de uma impressionante beleza.
As muralhas e as obras anexas da Praça de Elvas exibem uma praça com a forma de um polígono irregular, com 12 frentes, sete baluartes e quatro meios-baluartes. A torre de menagem eleva-se sobre a encosta. Do sistema defensivo da praça-forte fazem parte os fortes de Santa Luzia e da Graça.
Ao nível do património religioso, destaca-se a Igreja de Nossa Senhora da Assunção, datada do século XVI e alterada no século XVIII, que seria a antiga Sé de Elvas. É de estilo manuelino, com alterações posteriores em estilo barroco. A Igreja de S. Pedro, datada do século XII e alterada nos séculos XVII e XVIII, é uma igreja românico-gótica, embora com alterações posteriores em estilo barroco. A Igreja das Dominicanas é uma igreja dos séculos XVI-XVII de estilo renascentista.
De salientar também o Santuário de Nosso Senhor Jesus da Piedade, edificado pelo Padre Manuel Antunes por devoção à Paixão de Cristo e gratidão por ter sido salvo da morte. Na Casa dos Milagres existem ex-votos. A igreja é notável pela riqueza de mármores e pelas telas de Volkemar Machado. Salienta-se, ainda, a Igreja de São Domingos, ou dos Domínicos, em Elvas, do século XIII e alterada no século XVIII.
Tradições, Lendas e Curiosidades
São diversas as manifestações populares e culturais no concelho, como a Feira de maio, realizada no terceiro fim de semana de maio, a Feira de S. Mateus, a partir de 20 de setembro, a festa do Senhor Jesus da Boa-Fé e a Feira dos Hortelões, no primeiro fim de semana de setembro, as festas de S. Vicente, em agosto, e as festas de Barbacena, em setembro.
Como instalações culturais, merecem referência a Biblioteca Municipal e o Museu de Elvas.
Economia
No concelho predominam as atividades ligadas ao setor terciário, seguidas pelas do secundário, com as indústrias de descasque de arroz, de conservas de tomate e azeitonas.
Na agricultura predominam os cultivos de azeitona, cereais para grão, prados temporários e culturas forrageiras, culturas industriais, pousio, olival e prados e pastagens permanentes. A pecuária tem também alguma importância, nomeadamente na criação de aves, ovinos e bovinos.
Quase 18% (1588 ha) do seu território está coberto de floresta.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Elvas na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-11 10:48:17]. Disponível em
Artigos
ver+

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros