Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Emílio Costa

Político e professor português, Emílio Martins Costa nasceu a 21 de fevereiro de 1877, em Portalegre, no Alto Alentejo.
De uma família burguesa liberal, instalou-se em Lisboa, em 1896, para frequentar o Instituto Industrial e, em 1899, matriculou-se também no Curso Superior de Letras. Nesse período estudantil, que lhe permitiu adquirir não só preocupações sociais e intelectuais, como também experiências políticas, assinou o Manifesto Académico Republicano (1897), participou na fundação do Centro Académico Republicano e entrou para a Maçonaria Académica, passando depois para a Carbonária Portuguesa e pertencendo também à Loja Montanha onde alcançou o grau de mestre. Nessa altura, fundou ainda o jornal O Amigo do Povo (1901-1903), onde defendeu, sob o pseudónimo de Demétrio, as suas ideias anarquistas e libertárias.
Não concluindo nenhum dos cursos, decidiu viajar pela Europa (França, Bélgica e Suíça), entre 1903 e 1909. Durante a sua estadia em França, foi secretário pessoal de Francisco Ferrer, participou na criação da Liga Internacional para a Educação Racional da Infância, abrindo posteriormente uma secção em Portugal, e colaborou com os jornais Les Temps Nouveaux e La Révolution.
De regresso a Portugal, integrou o grupo de propaganda anarco-sindicalista Germinal e iniciou a sua carreira docente, ao lecionar no Liceu Mouzinho da Silveira, em Portalegre, entre 1911 e 1913. Seguiu-se o Liceu Passos Manuel, em Lisboa (1915-1919), o Colégio Estoril (1919-1921), a Escola Comercial Ferreira Borges, durante alguns anos, e ainda a Escola-Oficina n.º 1 e a Escola Académica.
Escreveu sobre assuntos educativos em várias publicações, como O Primeiro de janeiro, A Pátria, A Voz do Operário, A Manhã, Seara Nova, República, Educação Social, entre outras. Proferiu conferências sobre questões ligadas à política de ensino, aos programas e às metodologias. Publicou ainda algumas obras, tais como Sindicalismo Independente (1931), Aspetos Sociais da Orientação Profissional (1942) e Filosofia Caseira - Pedagogias, Educações, Políticas e outras Curiosidades (1947). As suas obras, que permitem conhecer melhor aquele tempo de viragem na História de Portugal, analisam o trabalho da Monarquia, as perspetivas do Partido Republicano e fazem um balanço dos primeiros anos da República.
Emílio Costa, uma figura de relevo do movimento socialista e libertário português, faleceu a 17 de fevereiro de 1952, em Lisboa.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Emílio Costa na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-04 01:26:09]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros