Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Epístola aos Vindouros

Constitui o segundo volume da Obra Poética de Carlos Queirós, reunindo, depois da edição, no primeiro volume, de Desaparecido. Breve Tratado de Não-Versificação, um conjunto de poemas inéditos ou dispersamente publicados na Revista de Portugal, Ocidente, Atlântico, Diário Popular, Presença, Momento, Cadernos de Poesia, Aventura, Litoral, O Primeiro de janeiro, Diário de Lisboa, Panorama, O Instituto e Líricas Portuguesas. Composições caracterizadas por um apuro formal ironizado num poema onde demonstra sarcasticamente que "o nosso drama de portugueses,/ O nosso maior drama entre os maiores/ Dos dramas portugueses,/ É este apego hereditário à Forma:/ Ao modo de dizer, aos pontinhos nos ii,/ Às vírgulas certas, às quadras perfeitas,/ À estilística, à estética, à bombástica,/ À chave de ouro do soneto vazio/ - Que põe molezas de escravatura/ Por dentro do que pensamos/ Do que sentimos/ Do que escrevemos/ Do que fazemos/ Do que mentimos.", ao longo de todo o volume, avulta, sob vários modos, a presença de Pessoa, nomeadamente de Pessoa ortónimo. Seja na evocação direta de Fernando Pessoa, o "amigo [que] está vivo - e morreu", seja na expressão dolorosa de um eu que se sente diferente dos outros, a quem obsessivamente se dirige para dizer a sua não-pertença; seja no tema da infância; seja num fingimento a cada passo esconjurado pelo desejo de rasgar a ironia, de despir-se de mentiras, apresentar "nu o meu eu!, ou de praticar a "arte dificílima/ De ser sempre natural", a lição de Pessoa determina de forma lúcida e consciente muitos dos textos poéticos aqui coligidos. Por detrás das máscaras auto-irónicas, perpassa a coletânea, ao mesmo tempo, uma amargura e um pessimismo, mais do que pessoais, geracionais, que ecoam, por exemplo, no "Soneto Cru", onde lamenta a desgraça de ter nascido em Portugal e ser Poeta ("Esta é a pátria em cujo seio medram/ - Levando heróis e génios ao suicídio - / A fria indiferença, a vil intriga,/ A torpe inveja,/ a feia ingratidão [...] Por bons ou maus caminhos que sigamos,/ A nossa geração é sempre adversa/ e nem depois da morte nos perdoa", ou na "Epístola aos Vindouros", redigida no ano da sua morte, uma espécie de testamento poético dos "filhos deste século, [...] vítimas inglórias/ Da infância das técnicas", onde esboça uma análise irónica e pungente sobre as conquistas do Homem civilizado, deixando um advertência que chega ao leitor do século XXI com extraordinária e acrescida pertinência.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Epístola aos Vindouros na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-01 15:22:11]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais