Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

ética

Embora em linguagem comum não se distinga do conceito de "moral", a ética é, em rigor, a reflexão filosófica sobre a moral. Os objetos da ética são, portanto, as questões fundamentais relativamente à conduta do ser humano, ou seja, aos valores e princípios que o ser humano deve escolher de modo a dar uma orientação definida ao seu comportamento relativamente a si próprio e à sua relação com os outros e com a natureza em geral.
A ética é uma das disciplinas filosóficas, que envolve, contudo, uma área muito vasta de outros saberes (da teologia à antropologia, da história à sociologia).
Nos tempos mais remotos da história humana encontram-se vestígios suficientes para afirmar que a preocupação ética era enorme, o que exigiria uma reformulação da imagem que se tem em geral acerca dos tempos mais antigos. Quando confrontados com determinadas éticas do passado (por exemplo nos Vedas - conjunto de livros sagrados da Índia -, em 1500 a. C.) os pensadores são obrigados a reconhecer que havia uma grandeza que só de longe a longe voltou a ser atingida e que, sem comparação possível, não existe desde o século XVIII, pois tem faltado uma doutrinação coerente e metafísica que dê unidade às diferentes formulações empíricas das éticas relativistas ou do consenso que irromperam no século XX.
Nos tempos passados a ética era fruto de uma revelação da divindade aos homens, como muito bem tipificam os mandamentos dados a Moisés por Deus (Iavé). Diferentes éticas foram sendo propostas aos homens através dos diferentes fundadores dos movimentos religiosos: no glorioso século VI a. C. aparecem, em diferentes lugares, Buda na Índia, Lao-Tsé e de seguida Confúcio na China, Pitágoras na Grécia; depois aparece Cristo e Maomé.
A ética foi sempre uma dimensão da vivência religiosa e só muito recentemente se tornou laica e agnóstica, influenciada pelo marxismo, pelo positivismo e por uma apressada interpretação da nietzschiana "morte de Deus". A ética perdeu então o seu fundamento e viu-se sem saber para onde se orientar, caindo num relativismo de que o século XX, com todas as suas cruéis contradições, é um bom exemplo. Surgiram novas dimensões da ética, como a ética ambiental ou a bioética, mas não estão ainda munidas de uma doutrina sólida que lhes sirva de fundamento e unidade. A tendência central da ética desde meados do século XX é a do consenso, mas pelo consenso nem sempre se chega ao bom-senso.
Parece ser comum a todos os seres humanos a necessidade de dar uma orientação coerente ao seu comportamento e de eleger um ou mais valores que lhe sirvam como guia em todas as situações que a vida lhes imponha, por isso é também comum a todos a necessidade de encontrar uma ética coerente e que responda às suas exigências mais profundas, uma vez que a opção, perante uma determinada situação, por um comportamento e não por outro não pode ser tomada levemente e exige o compromisso de todas as dimensões do ser humano.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – ética na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-17 09:34:42]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais