Livros e Autores

Abelhas Cinzentas

Andrei Kurkov

A aldeia das almas desaparecidas

Richard Zimler

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Bom português

puder ou poder?

ver mais

trás ou traz?

ver mais

impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Eugénia Melo e Castro

Cantora portuguesa, Maria Eugénia Menéres de Melo e Castro nasceu a 6 de junho de 1958 na Covilhã. A sua formação musical teve por base o Piano e o Canto, que estudou no Conservatório de Lisboa, mas contemplou ainda o Violino e a Guitarra Clássica. O avô, Ernesto de Melo e Castro, era compositor e foi através da sua influência que Eugénia tomou contacto com a música clássica. Dos pais, os escritores E. M. de Melo e Castro e Maria Alberta Menéres, recebeu toda a informação literária, para além da sensibilidade jazzística pela qualseu pai era apaixonado. Estudou Cinema e Fotografia na London Film School e concluiu o curso de Artes Gráficas na Escola António Arroio, em Lisboa.
A relação forte com o Brasil nasceu da sua paixão pela Música Popular Brasileira que adquiriu ainda adolescente. A "ponte" foi estabelecida através de Wagner Tiso, que conheceu em Lisboa, em 1980, por ocasião de uma série de espetáculos de Milton Nascimento em Portugal. Tiso revelar-se-ia decisivo parceiro musical de Eugénia ao ter participado nos quatro primeiros álbuns da cantora como produtor e arranjador.
Em 1977, colaborou no apoio musical ao grupo de teatro independente "A Barraca", na peça Ao Quisto Chegou - Feira Portuguesa de Opinião, encenada e dirigida por Augusto Boal. Em 1978, estreou-se como atriz em Prá Frentex, primeira longa metragem de Joaquim Leitão. Em seguida mostrou-se na televisão ao participar no filme Três Corvos, que fez parte da série Contos Tradicionais Portugueses, na RTP. Em 1980, apresentou a série "Quadrados e Quadradinhos" (1980), sendo acompanhada pelos então também estreantes Trovante e compôs, cantou e produziu a música para oito bandas sonoras de filmes de animação da série Ouriço Cacheiro para a RTP. Iniciou a sua carreira musical colaborando em álbuns de músicos consagrados como Sérgio Godinho, Júlio Pereira, José Afonso, Adriano Correia de Oliveira, Jorge Palma, Fausto e Vitorino. Em 1982, lançou o álbum de estreia, Terra de Mel, que incluiu temas como"Terra de Mel", "Vira Virou", "Diferença Horária" e "Beco do Tiso". Este álbum foi premiado com o Sete de Ouro na categoria de Disco do Ano e Eugénia recebeu da Casa da Imprensa o galardão de Cantora do Ano. Seguiu-se Águas de Todo o Ano (1983), gravado no Rio de Janeiro (Brasil), e do qual fez parte o dueto com Ney Matogrosso em "A Dança da Lua", o tema mais ouvido na rádio portuguesa no ano de 1983. Este trabalho possibilitou a atribuição a Eugénia do Troféu Nova Gente como Cantora do Ano. Até ao final da década de 80, Eugénia repartiu a sua carreira pelo Brasil e por Portugal, gravando os álbuns Eugénia Melo e Castro III (1986) - do qual fez parte o tema de José Afonso "Que o Amor Não Me Engana" -, Coração Imprevisto (1988) - que incluiu temas como "Fogo de Palha", "Maldita Cocaína", "Coração Imprevisto" e "Os Argonautas" - e Canções e Momentos (1989).
A década de 90 começou com O Amor É Cego EeVê, trabalho constituído por canções portuguesas do início do século, compartilhadas com músicos brasileiros como Milton Nascimento, Gal Costa, Simone, Ney Matogrosso, Chico Buarque, Caetano Veloso e Wagner Tiso. Incluiu "Foi Deus", fado de Alberto Janes, gravado por Amália no final dos anos 50.
Terra de Mel - 10 Anos Depois foi o título do espetáculo comemorativo de 10 anos de carreira que levou a cantora ao palco do Teatro D. Maria II (Lisboa), a 13 de abril de 1992, e da Casa das Artes (Porto), a 16 de abril de 1992.
Outros álbuns lançados foram Lisboa Dentro de Mim (1993), Ao Vivo em S. Paulo (1996), registo que espelhou o sucesso da cantora no Brasil.
Eugénia Melo e Castro conta ainda com alguns trabalhos nas áreas da televisão e cinema. Participou na telenovela Antônio Maria (1985), ao lado do ator Sinde Filipe, e no filme Bocage, O Triunfo do Amor (1997), do realizador Djalma Limonge Batista.
Em 1999, produziu e dirigiu musicalmente "Atlântico", programa da RTP que reuniu duplas de artistas portugueses e brasileiros, e em cuja apresentação surgiu ao lado do produtor e compositor brasileiro Nelson Motta.
Nos dias 2, 3 e 4 de junho de 2000, apresentou no Sesc Pompéia, em São Paulo, o espetáculo Surpresas, com direção de Wagner Tiso. Em novembro desse ano são editados em Portugal os discos A Luz do meu Caminho e Canta Vinicius de Moraes.
Em 2001, a cantora lança no Brasil a compilação Eugénia Melo e Castro.com e reedita os álbuns Eugénia Melo e Castro canta Vinicius de Moraes, Vaga Azul (lançado originalmente como EMC III) e Eu Não Sei Dançar (Lisboa Dentro de Mim aquando da 1ª edição, em 1993). Nessas re-edições, o disco Recomeço, título escolhido para o primeiro disco da cantora, incluía os temas da maqueta que originou o disco Terra de Mel, numa versão remasterizada.
Motor da Luz, gravado ao vivo, em junho de 2000, é editado em novembro de 2001. O disco que se esteve para chamar Surpresas - 20 anos de Brasil, incluía o tema "Surpresas", um inédito de Gonzaguinha com letra da cantora. No ano seguinte, a cantora passa a assinar como Eugénia MC e é editado o CD Paz. A cantora escreveu todas as letras e coassina as músicas com o produtor do disco, Eduardo Queiroz.
Grava Paz ao Vivo, com edição no Natal de 2003. O single "dança_da_lua.2004.doc" (com a moonshine mix e club remix de "A Dança da Lua") foi lançado em agosto. Grava em S. Paulo um show especial para a Sony Music Entertainment Television, para exibição num canal de televisão e edição em DVD.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Eugénia Melo e Castro na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-11-28 10:50:51]. Disponível em
Artigos
ver+
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Eugénia Melo e Castro na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-11-28 10:50:51]. Disponível em
Livros e Autores

Abelhas Cinzentas

Andrei Kurkov

A aldeia das almas desaparecidas

Richard Zimler

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Bom português

puder ou poder?

ver mais

trás ou traz?

ver mais

impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais