Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Fernando Alvim

Artista plástico angolano, Fernando Alvim nasceu a 8 de agosto de 1963, em Luanda (Angola).

De origem portuguesa, viveu e trabalhou em Luanda até 1987, ano em que recebeu uma bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian. Em seguida, viajou para Bruxelas, onde reside e trabalha. Mantém contactos regulares com Luanda e Joanesburgo, onde desenvolveu dois projetos importantes. Criou o grupo Sussuta Boé, em 1990, na Bélgica, assim como Camouflage, o primeiro Centro de Arte Contemporânea Africana na Europa, existente já em Joanesburgo.

Recebeu um convite do Ministério da Cultura angolano para conceber o projeto da primeira Trienal de Arte e Cultura de Luanda, em 2005. Esse projeto consistiu em produzir um laboratório, onde se possa observar e examinar as mudanças estéticas e emocionais da sociedade.

Após a primeira exposição, em 1979, em Luanda, Fernando Alvim realizou várias outras exposições em diversos países como Portugal, França, Espanha, Africa do Sul, Estados Unidos, Brasil, Cuba, Senegal, Israel, entre outros. Nas suas temáticas, Fernando Alvim reflete sobre o continente africano e as suas guerras, tenta lutar contra o esquecimento e a mentira e criar na sua arte um diálogo entre a vida e a morte.

Para além das suas pinturas, colagens, o artista elabora instalações audiovisuais, realizando vídeos, como Memorias Intimas Marcas (1997), Morfina (1997), I miss you (2000), Gela uanga / War and art of elsewhere (2001), Kilembe - Tree of Knowledge (2001) e Unconscious Skin (2001).
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Fernando Alvim na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-11 09:54:55]. Disponível em
Artigos
ver+

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais