Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

feudalismo

A queda de Roma e as invasões germânicas determina, a partir do século V, um crescente surgimento de vínculos pessoais entre os cidadãos, quebrada que está a sua relação política com o Estado, conceito enfraquecido no fim do mundo romano. A partir do século IX e até ao século XII, principalmente, desenvolve-se na Europa o feudalismo, sistema social, económico e político baseado em relações de dependência de homem para homem. O termo feudalismo aplica-se, geralmente, a todas as sociedades cujo poder central é meramente simbólico e se encontra fragmentado, para além de a sua economia ter uma base servil e agrária.
O processo de formação do feudalismo remonta às instituições romanas e mesmo germânicas. De facto, a partir do século III assiste-se ao declínio do Império Romano e da sua sociedade, que se desagrega e perde cada vez mais o sentido de ordem, afetada que estava por depressões económicas consecutivas e uma tendência para a desurbanização, com a população a fugir para os campos, visto as cidades serem o alvo mais fácil das pilhagens e dos ataques bárbaros. A insegurança invade o mundo romano, pois há muito desapareceu a Paz Romana. Por outro lado, a crise económica contínua agrava cada vez mais os impostos, o que aumenta o mal-estar social. Este é ocasionado ainda pela isenção do pagamento de impostos dada aos senhores e à Igreja, regalia que está na origem dos privilégios da nobreza e do clero. Paralelamente, criam-se leis de vínculo obrigatório e hereditário das pessoas à sua profissão, cada vez mais a agricultura, em virtude da ruralização da Europa.
O temor e a ameaça constante de incursões de tribos germânicas - depois das suas invasões, das guerras frequentes e, mais tarde, do perigo muçulmano e normando - conduzem inúmeros indivíduos a colocarem-se sob a proteção dos mais poderosos (recomendação), normalmente grandes latifundiários - o poder emanava da propriedade -, em troca da qual lhes entregam as suas parcelas de terra, recebendo-a depois com a condição de a trabalhar para o protetor. A influência germânica, visível depois do século V, deve-se à tradição de submissão à liderança de um chefe, que fica obrigado a armar e sustentar os seus súbditos. O princípio fundamental desta relação é a fidelidade (de fides - fé -, depois feodo, donde deriva feudalismo). A partir desta herança romano-germânica e da conjuntura europeia da Alta Idade Média desenvolve-se o feudalismo.
Em que consiste, então, a relação feudal, base desse sistema? Um homem, o vassalo, perante a penúria e a insegurança, entrega-se pela homenagem (na qual se ajoelha perante o senhor e presta juramento de fidelidade, dele recebendo um objeto como prova da sua condição de vassalo, muitas vezes uma espada) a outro homem, mais poderoso, o suserano, seu amo depois de aceitar essa entrega voluntária. O vassalo é, por isso, obrigado a prestar fidelidade, conselho, ajuda militar e material, em caso de necessidade. O suserano tem que o proteger e sustentar, sendo-lhe igualmente fiel. O sustento processa-se na concessão de terra ao vassalo, o benefício ou feudo, indivisível, a princípio vitalício, mas que depois tende para a hereditariedade.
Nesta reciprocidade existe, portanto, uma relação que favorece o mais fraco face à conjuntura menos propícia e faculta ao mais forte a manutenção e melhoria até da sua estrutura produtiva e riqueza pessoal, para além de maior poder, substituindo o Estado em certas prerrogativas. Isto conduz à fragmentação do poder do Estado e ao surgir de uma sociedade feudal.
O rei, todavia, é também um senhor feudal, o "suserano dos suseranos", pois cada senhor, para o ser, tem também que pedir proteção e prestar vassalagem a outro mais forte, criando-se uma hierarquia em cujo topo estava o monarca. Esta situação tende, mercê das suas concessões a senhores por serviços e préstimos em guerra e do incumprimento generalizado de certas obrigações dos seus vassalos - também senhores ao mesmo tempo -, a enfraquecer o poder e a autoridade do rei. Mesmo os administradores das suas terras começam a assenhorear-se delas. Surgem, assim, os condes. Os senhores feudais adquirem mesmo direitos políticos, de fazer a guerra ou a paz, de cunhar moeda, administrar a justiça e impor tributos, tarefas normalmente da competência exclusiva do rei.
A sociedade feudal é piramidal, com o rei no topo, seguido dos privilegiados (os senhores feudais e o alto clero), da baixa nobreza e do clero paroquial, sendo a base constituída pelos camponeses livres e servos. O alto clero e as hierarquias monásticas são autênticos senhores feudais, estabelecendo-se também relações de vassalagem entre eles e os outros senhores. Contudo, as relações deste tipo são enfraquecidas pela reforma gregoriana do século XI.
A partir do século XII, o feudalismo inicia o seu declínio. As causas principais prendem-se com as Cruzadas, que obrigam os senhores a criar exércitos a soldo, o que arruína muitos deles; o fortalecimento do poder real, que passa a ter à sua disposição um exército permanente, acabando com as guerras feudais entre senhores; o renascimento urbano e comercial, com o aparecimento de um novo grupo social poderoso, a burguesia; a centralização administrativa, à luz do reaparecido direito romano. Como sistema económico, o feudalismo termina na Idade Média, mas socialmente mantém-se até à Revolução Francesa. No plano político, o cardeal Richelieu e Luís XIV, no século XVII, em França, traçam-lhe o seu fim.
No caso ibérico, o feudalismo de além-Pirenéus pouco entra na Península; apenas é visível no poder da nobreza nos seus domínios, embora sem os rituais e conteúdo jurídico dos senhores franceses, por exemplo. O poder real, como motor da Reconquista Cristã, é aqui mais forte, com o apoio do clero. Por outro lado, o municipalismo, nascido da colonização das terras reconquistadas aos muçulmanos, permanecia forte e enraizado, defendendo os foros e regalias do povo. Portugal inclui-se nesta tendência ibérica de fraca feudalização. Socialmente, porém, a presença de estruturas feudais nota-se bastante nos reinos ibéricos.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – feudalismo na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-05-28 20:38:40]. Disponível em

Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros