Livros e Autores

Abelhas Cinzentas

Andrei Kurkov

A aldeia das almas desaparecidas

Richard Zimler

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Bom português

puder ou poder?

ver mais

trás ou traz?

ver mais

impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Fialho Gouveia

Produtor e apresentador de programas televisivos e radiofónicos, José Manuel Bastos Fialho Gouveia nasceu a 30 de abril de 1935, no Montijo, e faleceu a 2 de outubro de 2004, em Coimbra.
Estudou Filologia Românica, da Faculdade de Letras de Lisboa e, ainda como estudante, inscreveu-se, com sucesso, num concurso para locutores promovido pela Rádio Universidade, tendo sido este o primeiro passo na sua carreira de apresentador. Esteve dois anos naquela Rádio e depois, por sugestão do seu diretor, Caetano de Carvalho, foi fazer um curso de locutor na Radiotelevisão Portuguesa, a única televisão que existia na altura em Portugal e que preparava, então, a sua primeira emissão. Fialho Gouveia acabou por integrar o grupo dos pioneiros da televisão em Portugal, quando a RTP começou a emitir em março de 1957.
Até à revolução do 25 de abril de 1974 integrou o quadro de locutores da estação, mas era frequentemente destacado para fazer diversos tipos de trabalhos, como telejornais e entrevistas.
O programa de maior sucesso onde Fialho Gouveia colaborou foi o Zip-Zip, um talk-show feito em parceria com Carlos Cruz e Raul Solnado que se tornou numa referência da televisão em Portugal. O programa, que foi para o ar a partir de maio de 1969, era transmitido aos domingos à noite e teve como convidados personalidades como Zeca Afonso e Almada-Negreiros. Fialho Gouveia foi ainda, tal como Fernando Balsinha, um dos rostos da informação televisiva no dia 25 de abril de 1974.
Após a revolução integrou, juntamente com Maria Elisa, uma comissão de locutores que propôs a separação entre a informação e as outras áreas. Passou assim a ser jornalista e a ter intervenção direta nos textos que lia no Telejornal. No entanto, três meses depois de ter conseguido obter o estatuto de jornalista, abdicou do cargo.
A partir daí foi co-apresentador, apresentador ou produtor de programas como, entre outros, A Visita da Cornélia, O Gesto é Tudo, E o Resto São Cantigas, A Prata da Casa, Par ou Ímpar, Com Pés e Cabeça, Arca de Noé, tendo trabalhado, por diversas vezes, em equipa com Raul Solnado e Carlos Cruz. Em 1996, ao fim de quase quarenta anos na RTP, decidiu abandonar a estação de televisão e passou a trabalhar na produção de programas, na empresa Carlos Cruz Audiovisuais.
Paralelamente à sua carreira televisiva - que foi, aliás, a que o projetou publicamente - Fialho Gouveia teve também um papel muito importante na emissão de programas de rádio, em diferentes estações, como, por exemplo, Rádio Renascença com Diário do Ar e PBX, e Rádio Clube Português com A Onda do Otimismo e Tempo Zip.
De alma benfiquista, desempenhou também funções de secretário da Assembleia Geral do Sport Lisboa e Benfica, e foi a "voz-off" na cerimónia de inauguração do novo Estádio da Luz.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Fialho Gouveia na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-11-28 08:52:36]. Disponível em
Artigos
ver+
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Fialho Gouveia na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-11-28 08:52:36]. Disponível em
Livros e Autores

Abelhas Cinzentas

Andrei Kurkov

A aldeia das almas desaparecidas

Richard Zimler

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Bom português

puder ou poder?

ver mais

trás ou traz?

ver mais

impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais