Livros & Autores

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Fidelino de Figueiredo

Professor emérito, escritor, historiador e crítico de literatura, Fidelino de Sousa Figueiredo nasceu em 1889, em Lisboa, e morreu em 1967.
Terminou em 1910 os seus estudos universitários, em Ciências Histórico-Geográficas, no Curso Superior de Letras.
Veio a desempenhar funções no Ministério da Educação Nacional e foi por duas vezes nomeado diretor da Biblioteca Nacional de Lisboa, entre 1918-19 e em 1927, mas a docência universitária levou-o a viver cerca de década e meia no estrangeiro, nomeadamente no Brasil.
Fidelino de Figueiredo, pelo Prof. Abel Cardoso
Tornou-se membro de inúmeros Institutos e Academias de renome internacional. Deu o seu contributo à imprensa nacional e estrangeira, exercendo funções de redator em algumas das mais conceituadas publicações periódicas do seu tempo, como El Debate, de Madrid, O Jornal, do Rio de Janeiro, e o norte-americano Land and Freedom, entre outros jornais e revistas.
Diretor da Revista de História, entre 1912 e 1917, especializou-se na área da História e crítica literária, publicando, nas primeiras décadas do século XX, obras de grande fôlego sobre a história da literatura portuguesa clássica, romântica e realista.
Como grande estudioso da cultura em geral e da literatura em particular, algumas das suas investigações são consideradas trabalhos essenciais para a compreensão da literatura de língua portuguesa.
Obrigado a exilar-se, em novembro de 1927, após a instauração da ditadura militar, refugiou-se em Espanha, vindo, depois, a ser professor e investigador de reconhecido mérito em várias universidades americanas e europeias. Alargou então o âmbito da sua reflexão ensaística para diversos domínios como a literatura comparada hispano-portuguesa, o estudo da épica quinhentista, a criteriologia literária ou a análise histórica e metodológica da crítica literária. No Brasil, onde viveu vários anos até ao seu regresso a Portugal, dirigiu, entre 1938-1954, a revista Letras e exerceu um magistério decisivo sobre posteriores estudiosos da literatura portuguesa. Menos conhecido como ficcionista, os seus primeiros volumes de prosa ressentem-se da influência da estética naturalista, refletindo as preocupações sociais e políticas do autor. O seu espólio quase integral, inclusivamente o vasto espólio epistolar, encontra-se depositado na Universidade de S. Paulo, onde lecionou.
Ao longo da sua vida literária, foi agraciado com vários prémios e distinções. Porventura o mais importante foi-lhe atribuído em 1941, no Japão, pelo seu ensaio O Japonismo na Literatura Portuguesa, que venceu o Concurso Internacional Literário de Tóquio.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Fidelino de Figueiredo na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-06-28 19:23:45]. Disponível em

Livros & Autores

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais