Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Francis Ford Coppola

Cineasta norte-americano, Francis Ford Coppola nasceu em Detroit em 7 de abril de 1939, filho do compositor Carmine Coppola. Cresceu em Nova Iorque e, desde cedo, demosntrou paixão pelo cinema, filmando pequenos filmes caseiros em 8mm. Em 1960, concluiu a licenciatura em Cinema na UCLA. Os seus primeiros trabalhos como realizador enquadravam-se dentro do género soft-core como Tonight For Sure (1961) e The Playgirls and the Bellboy (1962). Depois, foi trabalhar para a equipa de Roger Corman, onde desempenhou numerosas funções desde operador de som a assistente de realização. Quando Corman lhe deu oportunidade de assumir a realização, Coppola partiu para a Irlanda onde filmou o experimental Dementia 13 (1963), um filme de horror gore. Convidado para trabalhar para os Estúdios Warner, onde filmou You're a Big Boy Now (A Noite é Perversa, 1966) e o musical Finian's Rainbow (O Vale do Arco-Íris, 1968), que, apesar da presença de Fred Astaire, se traduziu por um enorme fracasso comercial. Após o road-movie The Rain People (Chove no Meu Coração, 1969), procurou concentrar-se numa carreira de argumentista. Viu o seu esforço ser premiado com um Óscar para o Melhor Argumento Original pelo seu trabalho em Patton (1970). Em seguida, a Paramount propôs-lhe fazer a adaptação cinematográfica dum best-seller de Mario Puzo. O resultado final foi The Godfather (O Padrinho, 1972), uma saga sobre a família mafiosa Corleone, premiada com três Óscares, entre os quais o de Melhor Filme. Contudo, tanto a fase de pré-produção como a de rodagem foram bastante atribuladas: a Paramount não concordou inicialmente com as escolhas de Marlon Brando e de Al Pacino e qualquer atraso nas rodagens funcionava como justificação dos produtores para tentar o despedimento de Coppola. O realizador entrou numa senda de sucessos: com o thriller The Conversation (O Vigilante, 1974), arrecadou a Palma de Ouro do Festival de Cannes. Depois, envolveu-se a fundo no aliciante desafio de fazer uma continuação de O Padrinho. The Godfather-Part II (O Padrinho-Parte II, 1974) venceu seis Óscares e Coppola foi agraciado com o Óscar para Melhor Realizador por uma película que toda a crítica cinematográfica considerou quase unanimemente como de superior qualidade em relação ao primeiro título. Nos anos seguintes, Coppola dedicou-se à adaptação do romance O Coração das Trevas, de Joseph Conrad. Três anos depois, estreou Apocalypse Now (1979), um filme cujas rodagens foram marcadas por numerosas contrariedades desde o ataque cardíaco do protagonista Martin Sheen, passando pela destruição dos cenários devido a um tufão. Com uma derrapagem de quase 30 milhões de dólares relativamente ao orçamento inicial, o filme valeu-lhe a segunda Palma de Ouro em Cannes. Considerado em Hollywood como o realizador da nova geração com maior sucesso, lançou-se na aventura megalómana de fundar os Estúdios Zoetrope com produção própria. Mas começou aí a sua fase mais negra, com uma série de desastres comerciais iniciada com o melodrama One From the Heart (Do Fundo do Coração, 1982), passando por The Outsiders (Os Marginais, 1983), Rumble Fish (Juventude Inquieta, 1983), pelo musical Cotton Club (1984), a comédia Peggy Sue Got Married (Peggy Sue Casou-se, 1986) terminando com Gardens of Stone (Jardins de Pedra, 1987) e a biografia Tucker: The Man and His Dream (Tucker: o Homem e o Seu Sonho, 1988). Pelo meio, deu-se a tragédia pessoal da morte do seu filho Gio num acidente de barco e a falência da Zoetrope. Necessitando novamente dum êxito de bilheteira para levantar a sua cotação em Hollywood, aceitou a proposta feita pela Paramount de filmar um terceiro episódio da saga da família Corleone. The Godfather Part III (O Padrinho-Parte III, 1990) teve um acolhimento moderado por parte da crítica e do público e não reuniu consensos. Já Bram Stoker's Dracula (Drácula, 1992) foi um enorme sucesso e relançou a sua carreira. Apesar de fracassos posteriores, como a comédia Jack (1996) e The Rainmaker (O Poder da Justiça, 1997), continua a ser um dos realizadores mundiais de maior nomeada.
Pormenor do cartaz de "The Godfather" ("O Padrinho"), uma saga de Francis Ford Coppola, numa edição especial comemorativa dos 25 anos
Cartaz de "Apocalypse Now", um filme de Francis Ford Coppola, de 1979, no qual participaram Martin Sheen, Marlon Brando e Robert Duvall, entre outros
Cartaz do filme "The Conversation" (1974), realizado por Francis Ford Coppola e protagonizado por Gene Hackman e John Cazale
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Francis Ford Coppola na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-09-26 02:04:20]. Disponível em
Artigos
ver+
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Francis Ford Coppola na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-09-26 02:04:20]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros