Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Francisco Bugalho

Poeta português, nascido a 26 de julho de 1905, no Porto, e falecido a 29 de janeiro de 1949, em Castelo de Vide, pai do poeta Cristóvão Pavia, estudou Direito em Coimbra, aí convivendo com o grupo de escritores presencistas. Fixou residência no Alentejo, como funcionário no registo predial de Castelo de Vide. Colaborou em publicações que marcaram a poesia dos anos 30 e 40, como Presença ou Cadernos de Poesia. Herdeiro de Pessoa ipse, pelo desdobramento do eu ("...os fados em mim mesmo depuseram / Razões de ser e de não ser, contrárias / Nas emoções que, dentro de mim, cresceram / Tumultuosas, carinhosas, várias") e pela filiação num lirismo tradicional; descendente de Cesário por uma visão que subjetivamente transfigura a paisagem concreta, a poesia de Francisco Bugalho, em comunhão íntima com a natureza, ora tira dessa ligação um efeito lustral sobre o eu que nela encontra a calma e a eternidade, intuindo o que nela existe de inefável e sobrenatural ou adquire pelo confronto com a paisagem a consciência do seu sofrimento dando voz à dor de pensar, à desistência e ao cansaço.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Francisco Bugalho na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-02 02:25:01]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros