Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Françoise Barré-Sinoussi

Virologista francesa, Françoise Barré-Sinoussi nasceu a 30 de julho de 1947, em Paris e é diretora da Unidade de Regulação das Infeções Retrovirais, no Departamento de Virologia do Instituto Pasteur, em Paris. O seu percurso académico foi feito na Universidade das Ciências de Paris, em 1968 (Bioquímica), no Instituto Pasteur e na Universidade das Ciências de Paris, entre 1972 e 1975 (doutoramento em Virologia) e na Fundação de Ciência Nacional, NIH-NCI, em Bethesda, nos Estados Unidos, entre 1975 e 1976 (pós-doutoramento em Retrovirologia). Desde 1975 que Barré-Sinoussi trabalha no Instituto Pasteur, tendo começado como investigadora assistente, passando depois a professora assistente e, finalmente, a diretora de investigação. Em 1986 teve a seu cargo o Laboratório de Biologia Retroviral (que entretanto passou a designar-se por Unidade de Regulação das Infeções Retrovirais), uma vez que a sua área de investigação incidia sobre um grupo particular de vírus – os retrovírus.
Em 1983, Barré-Sinoussi fez parte de um grupo de investigadores liderado por Luc Montaigner, grupo ao qual foi pedido que descobrisse a causa de uma nova síndroma denominada SIDA. Foi feita uma análise de um nódulo linfático de um dos pacientes infetados e o conhecimento de Barré-Sinoussi na área de investigação retroviral foi fundamental para a descoberta do retrovírus VIH (Vírus da Imunodeficiência Humana) e o seu reconhecimento como causador de SIDA, em 1983. Em 1988, a virologista iniciou uma série de programas de investigação relacionados com o vírus VIH e, até 1998, esteve também envolvida em programas de tentativa de desenvolvimento de vacinas, usando primatas. A sua equipa de investigação está a focar o seu trabalho em aspetos específicos como a tentativa de regulação da infeção por VIH, mais propriamente no estudo da transmissão do vírus de mãe para filho e na importância das defesas inatas do indivíduo no controlo do vírus.
Barré-Sinoussi é autora e coautora de mais de 200 publicações científicas e recebeu diversos prémios e condecorações pelo seu notável trabalho, como o Award of the French Academy of Medicine, o King Faisal International Prize of Medicinel, o Prize Medicine and Research of the Institute of Sciences of the Health, o Emeritus Award of the International AIDS Society ou o ARRI Award in Biomedical Sciences. A virologista tem colaborado imenso com diversas sociedades científicas e com organizações ligadas à SIDA, como a National Agency for AIDS Research.
Em 2008, Françoise Barré-Sinoussi foi distinguida com o Prémio Nobel da Medicina (que dividiu com o compatriota Luc Montaigner e com o alemão Harald zur Hausen) pela contribuição para a descoberta do VIH, fundamental para compreender o desenvolvimento da SIDA e desenvolver tratamentos retrovirais.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Françoise Barré-Sinoussi na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-03 13:34:38]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros