Academia Virtual - O Poder da Voz

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Gal Costa

Gal Costa, de seu nome completo Maria da Graça Costa Penna Burgos, nasceu a 26 de setembro de 1945, em Salvador, Brasil.

Influenciada pela tradição do samba e da bossa nova, pelo rock 'n' roll norte-americano e pelo movimento hippie, fez parte do movimento radical "Tropicália", composto por artistas como Caetano Veloso, Gilberto Gil e Tom Zé, numa tentativa de alterar o conceito de música popular no Brasil dos anos 60, dominado pela ditadura militar. Neste âmbito, cantou em quatro faixas do álbum Tropicália: Ou Panis Et Circensis (1968), tornando-se numa das principais vozes femininas do movimento e adotando um estilo visual hippie.

Lançou o seu primeiro álbum, Gal Costa, em 1969. Data desta fase o seu primeiro grande sucesso, "Baby". Entre os seus álbuns mais significativos encontram-se Fatal - Gal a Todo Vapor (1971), registo ao vivo; Índia (1973); Gal Canta Caymmi (1976); Os Doces Bárbaros (1976), registo ao vivo do espetáculo que juntou Bethânia, Caetano Veloso, Gilberto Gil e Gal Costa; Gal Tropical (1979); Aquarela do Brasil (1980), um tributo ao compositor Ary Barroso; Bem Bom (1985); Rio Revisited (1989), com Tom Jobim; Acústico MTV (1997), do qual faz parte o dueto com Herbert Vianna em "Lanterna dos Afogados"; e "Aquele Frevo Axê" (1998), que incluiu uma versão do tema "Calling You", original da banda sonora de Bagdad Café (Café Bagdade, 1988, de Percy Adlon
).
Capa do álbum "Novela Hits", de Gal Costa, editado em 1997 pela BMG Brasil
Capa do álbum "Minha Voz Minha Vida" (2001) de Gal Costa
Participou, com Tom Jobim e Caetano Veloso, nas bandas sonoras das telenovelas Gabriela (1983) e Tieta (1996), respetivamente.

A 7 de maio de 1999 surgiu ao lado do cantor Luís Represas no programa televisivo "Atlântico" da autoria de Eugénia Melo e Castro. Nesse mesmo ano, participou no álbum Tropicália -- 30 Anos, com a recuperação do êxito "Divino Maravilhoso", a canção que a transformou na indiscutível musa da Tropicália, durante o Festival de Música Popular Brasileira da TV Record, em novembro de 1968. Ainda em 1999, editou Gal Costa Canta Tom Jobim ao Vivo e, homenageando uma das suas maiores referências musicais, empresta a sua voz aos temas mais populares do famoso compositor brasileiro.

Dois anos mais tarde, chegou às lojas Gal de Tantos Amores, um disco de versões, produzido por Wagner Tiso, e que incluía algumas das músicas preferidas de Gal Costa, retiradas do repertório de músicos tão consagrados como Caetano Veloso, Jorge Ben, Chico Buarque e Ed Motta.

No ano seguinte volta à carga, no mesmo formato. O disco Bossa Tropical (2003), inclui temas dos Beatles, Caetano Veloso, Arnaldo Antunes e Tom Jobim.


Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Gal Costa na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-10-02 00:39:28]. Disponível em
Artigos
ver+
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Gal Costa na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-10-02 00:39:28]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais