Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Gary Hume

Nascido em Kent, Inglaterra, Gary Hume é reconhecido como um dos pintores mais significativos da década de 1990 no Reino Unido. Desde a sua licenciatura pelo Goldsmith's College, Londres, 1988, tem sido associado aos sucessos de uma brilhante geração de jovens artistas britânicos.
Nas suas obras, Gary Hume prefere motivos e materiais da vida quotidiana e da cultura pop; utiliza vernizes de alto brilho, de uso comum. Quanto ao suporte, passou da tela para o alumínio e MDF. A sua primeira grande série de trabalhos, Doors (1988-1992), representa portas em vaivém duplas, como as que se encontram em hospitais e outros edifícios públicos. O tamanho dos quadros, quase sempre reduzidos a formas retangulares, correspondem ao tamanho das portas. Deste ponto de vista, as pinturas de portas de Hume são uma expressão da diferença entre a representação e o representado. Depois de uma breve fase em que realizou trabalhos como Housewife Sculpture (1992) - feita de bacias e rede metálica - e um vídeo gravado (Me as King Cnut, 1992), Hume começou, a partir de 1993, a produzir quadros figurativos. Tomou como modelos os desenhos de silhuetas em lâmina de acetato de tamanho A4, feitos de reproduções vindas da cultura pop como jornais e livros de arte, revistas pornográficas ou de moda. Quando foi questionado acerca dos seus critérios de seleção, respondeu que os elege pela sua capacidade de irradiar beleza e sentimento. Esses critérios podem apreciar-se particularmente nos quadros pintados segundo as fotografias tiradas das estátuas que se encontram no Estádio Olímpico de Mussolini em Roma (Hero, 1993; Vicious, 1994; Love Love's Unlovable, 1994). Mas Hume também encontra o difícil equilíbrio entre cultura trivial, emoção e beleza nos seus retratos de mulheres, de plantas e animais e, inclusivamente, nos seus trabalhos abstratos e psicologicamente significativos.
Como prova disso é a estratégia, usual no trabalho de Gary Hume, de começar a partir de uma imagem familiar - uma fotografia de alguma pessoa famosa, algumas flores, qualquer coisa - e sem realmente distorcê-la, alterá-la de uma tal forma que, quando se olha para a pintura, o tema não fica claro na mente. É uma reminiscência do que acontece quando olhamos para o famoso retrato de dois perfis que também representa um vaso, quando se inverte o relacionamento da figura com a base. Com frequência a figura e a base recebem a mesma ênfase nas pinturas de Hume, uma metáfora do próprio relacionamento do artista com a cultura em geral.
As pinturas de Hume são sinceras e comprometidas. A escolha de cores e do tema, que pode ser - e muitas vezes é - considerada ironicamente de mau gosto, ou mesmo sarcástica, pretende ser bela e humana ('beleza' e 'humanidade' são duas palavras que Hume utiliza muito quando fala sobre o seu trabalho). Ele quer imbuir o seu trabalho de um tipo de integridade moral, prática e quotidiana. O que os seus trabalhos têm na sua base é um rigor intelectual - um tipo de integridade diferente. Com as invenções de outras formas de pintar e a ameaça da redundância, a pintura conseguiu encontrar o seu lugar, concentrando-se nas coisas consideradas exclusivas da pintura e desconsiderando as coisas que também podiam ser alcançadas por outros meios mais recentes. Acreditava-se que a representação figurativa
comprometia a integridade da pintura, pois ocultava o seu direito à vida.
As pinturas figurativas de Hume fazem coisas que não podem ser feitas de nenhuma outra forma, a sua conceção é completa. O tipo de pintura, o tipo de suporte, a cor, o tratamento da imagem são bastante específicos e essenciais ao trabalho enquanto objeto. Apesar da simplicidade dos meios utilizados e dos temas pueris, os seus trabalhos conseguem manter um elemento oculto.
As suas obras fazem parte das coleções da Saatchi, do British Council e do Art Institute of Chicago, Estados Unidos da América. Ganhou o Jerwood Painting Prize em 1997 e é membro da Royal Academy desde 24 de maio de 2001.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Gary Hume na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-05-25 19:59:58]. Disponível em

Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais