Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Georges Perec

Escritor francês nascido a 7 de março de 1936, na cidade de Paris. Filho de judeus polacos, ficou órfão muito cedo. O pai teria sido abatido em combate durante a Segunda Guerra Mundial, em 1940 e a mãe, depois de ter evacuado o filho para junto de parentes, fora da cidade, foi capturada em 1942 pelas autoridades, desaparecendo depois no campo de concentração de Drancy.
Georges Perec foi portanto criado pelos tios, que o haviam acolhido, e oficialmente adotado como seu filho em 1945. Frequentou um colégio interno de inspiração católica e, após ter concluído o ensino secundário, ingressou na Universidade da Sorbonne onde, a par com estudos de História e Sociologia, se dedicou ao jornalismo, contribuindo com críticas e ensaios para as proeminentes publicações Nouvelle Revue Française e Les Lettres Nouvelles.
Em 1958 foi chamado a cumprir o serviço militar e, depois de cerca de um ano no exército, casou e foi viver com a esposa para a Tunísia. Regressando depois a França, começou a trabalhar, em 1962, como arquivista num laboratório de pesquisa neurofisiológica. Apesar de mal paga, esta sua nova ocupação permitiu-lhe dispor de tempo e paz de espírito suficientes para que poder empreender com seriedade um esforço literário, pelo que, em 1965, pôde dar ao prelo o seu primeiro livro, um romance intitulado Les Choses. A obra constituiu uma revelação nos círculos literários franceses, e valeu-lhe a atribuição do Prémio Renaudot. Seguiram-se Quel Petit Vélo à Guidon Chromé au Fond de la Cour? (1966) e Un Homme Qui Dort (1967, Um Homem que Dorme).
Georges Perec
Em 1967 aderiu à tertúlia OuLiPo (Ouvroir de Littérature Potentielle), grupo que contava com a presença de matemáticos e escritores de renome, como Italo Calvino, Raymond Queneau, François Le Lionnais e Harry Matthews, e cujo objetivo era a tentativa de expansão da literatura pela utilização de estruturas formais retiradas das ciências exatas, resultando por vezes na inserção de algoritmos em anagramas, palíndromos e outros elementos da retórica.
Em consequência deste intercâmbio, publicou, em 1969, La Disparition, romance cabalístico e lipogramático que contava a história do desaparecimento de um indivíduo, incidente narrativo que é acompanhado no texto pela obliteração da vogal 'e'. Em contrapartida, Les Reventes (1972) excisava as vogais 'a', 'i', 'o' e 'u', utilizando tão-somente o 'e'.
No ano de 1978 apareceu um dos seus romances mais importantes, La Vie, Mode d'Emploi (A vida modo de usar). A obra, estruturalmente complexa, descrevia um bloco de cerca de uma centena de apartamentos, contando a história de cada um dos moradores, intricando as tramas, os lugares e as personagens. Foi galardoada com o Prémio Médicis. Um trabalho importante desta época foi também Un Cabinet d'Amateur (1979, Um Gabinete de Amador).
Georges Perec abandonou o seu emprego como arquivista laboratorial em 1979, dedicando-se inteiramente à escrita e, a partir de 1981, desempenhou as funções de escritor residente na Universidade de Brisbane, na Austrália. Tendo-lhe sido diagnosticado um cancro, optou por regressar ao seu país pouco tempo depois, acabando por falecer a 3 de março de 1982.
A título póstumo apareceram, entre muitas outras obras, Penser, Classer (1985), L'Infra-Ordinaire (1989), Cantatrix Sopranica L. Et Autres Récits Scientifiques (1991) e Le Voyage d'Hiver (1993).
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Georges Perec na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-03 09:21:14]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros