Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Germano Meireles

Advogado, jornalista e crítico literário, de nome completo Germano Vieira de Meireles, nasceu a 22 de fevereiro de 1842, em Penafiel, e morreu a 3 de dezembro de 1877, na mesma cidade. Foi um dos grandes vultos da Escola Coimbrã e da Geração de 70 e amigo pessoal de Antero de Quental, que lhe dedicou a primeira edição das Odes Modernas, em 1865. Em 1864, fundou em Penafiel um semanário de qualidade notável, O Século XIX, que viria a reunir colaborações de grandes intelectuais da época, entre os quais Antero de Quental, João de Deus, Alberto Teles, António de Azevedo Castelo Branco, Pedro de Lima, Custódio José Duarte e Simões Dias. Colaborou igualmente em periódicos como O Instituto, O Fósforo, A Gazeta Democrática, O Primeiro de janeiro e O Progresso Comercial (estes dois fundados por si próprio em 1869 e 1873, respetivamente). Em 1871, esteve prevista a sua participação nas célebres Conferências Democráticas do Casino, entretanto proibidas. Apesar das divergências ideológicas que o opunham a Antero e a grande parte dos elementos da Geração de 70 (Germano Meireles afirmava-se monárquico, anti-iberista e antifederealista), foi sempre um dos principais confidentes do autor de Sonetos completos, que viria a adotar as duas filhas de Germano após a morte precoce deste, com apenas 35 anos.
Como crítico literário, assumiu sempre uma posição sagaz e imparcial: na sustentação da existência de uma Escola do Porto (espécie de terceira via face às escolas literárias de Coimbra e de Lisboa), de matriz hugoliana (in "Carta-prólogo" a Primícias, de Santos Valente); no repúdio do romantismo sentimentalista, piegas e convencional (in "Odes modernas de Antero de Quental"); na defesa da ligação da poesia às problemáticas do seu tempo, atribuindo-lhe uma função nacional, social e humanitária (in "A poesia moderna e o poemeto do Sr. Mendes Leal - Napoleão no Kremlin"); na indicação dos defeitos da estética realista (in "Eva de Santos Nazaré").
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Germano Meireles na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-11 01:14:34]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais