Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Grupo Cobra

Cobra designa uma associação internacional de artistas, criada na Europa a 8 de novembro de 1948. O seu nome, inventado pelo poeta e pintor belga Christian Dotremont (o teórico e mecenas do grupo), resulta a agregação das letras iniciais das cidades que constituíram os núcleos de formação do movimento: Copenhaga, Bruxelas e Amsterdão. Aquando da sua formação, em 1948, o movimento Cobra absorve o grupo experimental Reflex, formado em Amsterdão nesse mesmo ano por Karel Appel (1924-), Corneille (1922-) e Constant.
Tal como em grande parte dos movimentos de vanguarda da primeira metade do século, a formação desta corrente é marcada pela redação de um manifesto. Designado "La cause était entendue" este texto é assinado por grande parte dos membros que integraram o grupo Cobra, como Dotremont, Asger Jorn (1914-1973), Corneille, Constant, Appel e Joseph Noiret. O pintor Pierre Alechinsky (1927-) juntou-se ao movimento no ano seguinte, em 1949. Participaram nesta corrente ainda os artistas Jean-Michel Atlan (1913-1960) e Pol Bury (1922-).
Constituído por poetas e pintores, este movimento de vocação internacional pugna pelo desenvolvimento de uma arte de intensa liberdade criativa, onde impere a experimentação e a espontaneidade, numa aproximação às expressões mais simples das tradições populares e da etnologia. Neste aspeto, os princípios estéticos e conceptuais de Cobra aproximam-se de manifestações artísticas primitivas, como a designada Arte Bruta (de acordo com a caracterização dada por Jean Dubuffet), sendo possível detetar, no contexto da produção artística erudita, várias influências, como o Surrealismo do catalão Joan Miró, o estilo ingénuo de Paul Klee e a abstração de Hartung (1904-1989) de Wols. A estas influências acresce desejo de expressão das vontades íntimas e o espírito de liberdade, que caracterizam a identidade cultural dinamarquesa assim como do carácter expressonista e tenso da obra de Edvard Munch.
Os membros de grupo defendiam a expressão livre do inconsciente e usavam cores estridentes para dar aos trabalhos força e vitalidade (próximos dos desenhos das crianças e da arte primitiva), incluíam frequentemente nas suas pinturas um imaginário fantástico (derivado das formas artísticas tradicionais e populares nórdicas) conjugado com símbolos místicos associados a formas abstratas. Desta forma rejeitam as tendências mais virtuosísticas e realistas do movimento surrealista, do qual retiram essencialmente determinados processos criativos, como o desenho automático.
Apesar de possuirem uma base ideológica comum, transcrita no manifesto do grupo, cada um dos artistas do movimento revela abordagens formais e estéticas diferenciadas. A obra de Pierre Alechinsky, apresenta geralmente elementos fantásticos, de carácter fortemente narrativo, e é marcada pela caligrafia japonesa e pela Action Painting americana. Asger Jorn, um dos pintores mais interessantes do grupo, realiza várias telas nas quais representa, empregando um cromatismo intenso, figuras de animais e vegetais. Corneille executa quadros de pássaros e paisagens, com grande liberdade e espontaneidade de desenho. Denunciando a sua formação literária, o escritor Christian Dotremont (1922-1979), na sua obra pictórica recorre à linguagem escrita e desenvolve um conjunto de "pinturas-palavras" de carácter caligráfico.
A principal exposição realizada pelo grupo, a "Exhibition of Experimental Art", apresentada num museu de Amsterdão em novembro de 1949, determinou uma reação extremamente violenta por parte da crítica e dos meios de comunicação, situação que se verificaria, em fevereiro de 1951, aquando da exposição do movimento Cobra em Paris. A mostra coletiva realizada em Liège poucos meses depois (em outubro de 1951) constituiu a última iniciativa conjunta do grupo, que se dissolveu no seguimento do afastamento dos seus dois teóricos, Jorn e Dotremont, devido a graves problemas de saúde.
Um fim que foi anunciado oficialmente no último dos dez números da revista Cobra Revue (1948-1951), editado por ocasião da exposição de Liége.
Apesar da sua vocação internacionalista e do carácter vanguardista de sua produção criativa, os pintores do movimento Cobra só obtiveram reconhecimento internacional a partir dos anos 60, altura em que o interesse em torno da sua obra se alarga a toda a Europa e aos Estados Unidos da América.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Grupo Cobra na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-12 09:30:02]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros