Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Guerra do Afeganistão

Desde a proclamação da República do Afeganistão (julho de 1973) a instabilidade política e governativa, tendo sempre como pano de fundo questões de ordem religiosa e social, foi uma constante. Em 1978, depois de um golpe de Estado donde sobressairão Noor Muhammad Taraki e Hafizullah Amin, o país adota um programa de desenvolvimento socioeconómico marcado por aquilo a que se chamou "socialismo científico". Os opositores a esta política, particularmente os muçulmanos mais devotos, especialmente entre as tribos das montanhas, iniciam um movimento de resistência armada.
Incapazes de conter a rebelião, Taraki e Amin pedem ajuda à URSS. Apesar da ajuda militar soviética, a resistência não desmobilizou. Em dezembro de 1979 a intervenção de Moscovo ganha novos contornos: Amin foi derrubado e assassinado por um golpe apoiado pelos soviéticos e o Afeganistão é ocupado pelo Exército Vermelho. De seguida, a URSS coloca no governo Babrak Karmal, um antigo vice-presidente exilado desde o ano anterior. A grande preocupação do novo governante é sufocar a revolta e neutralizar a resistência; a contestação não diminuiu mas o clima de tensão levou a que cerca de 3 milhões de afegãos procurassem refúgio no vizinho Paquistão. Em meados de 1980 as forças governamentais e os cerca de 118 mil soldados soviéticos detêm o controlo das principais cidades e vias de comunicação, mas todas as ações militares que organizam revelam-se insuficientes para desalojar os rebeldes, os conhecidos "mujaheddin". O conflito, entretanto, torna-se um assunto de interesse internacional envolvendo outras nações; os Estados Unidos e algumas nações muçulmanas fornecem armas e mantimentos aos guerrilheiros. Por seu turno, na URSS começavam a levantar-se vozes contra a intervenção num conflito sem grandes perspetivas de resolução e que custava muito dinheiro e muitas vidas. Em maio de 1986, os soviéticos terão instigado o golpe de Estado que derrubou Karmal e colocou no poder Muhammad Najibullah, antigo chefe da polícia do Estado. Entre maio de 1988 e fevereiro de 1989, Moscovo retirou as suas desgastadas tropas do Afeganistão mas a guerra civil continuou tão ou mais violenta do que antes.
Em 1992 Najibullah é deposto por outro grupo guerrilheiro e vários conflitos entre grupos tiveram lugar em Cabul. Mohaddedei é eleito presidente pelas mãos do Conselho Islâmico, o que não agradou ao chefe do grupo de guerrilha mais radical - Hekmatyar. Os conflitos sucedem-se e novo presidente é eleito, desta vez Rabbani. É proposto a Hekmatyar o cargo de primeiro-ministro como tentativa de acabar com os conflitos, mas o acordo não chegou a concretizar-se. Passaram-se dois anos de mais conflitos até que um grupo de sunitas ultrafundamentalistas começa a ganhar terreno - os Talibãs - cujo líder supremo, o "Mullah", é Muhammad Omar. Em 1996 os Talibãs invadem Cabul e tomam o poder. Instauram uma política fundamentalista islâmica extremamente rigorosa. Assassinam o líder comunista afegão Najibullah e procuram, desde então, controlar o resto do país, mas encontraram resistência por parte de um grupo guerrilheiro instalado a Norte do país, cujo líder é Ahmed Shah Massoud.
Osama Bin Laden, o principal suspeito dos norte-americanos de organizar o ataque de 11 de setembro
Como consequência das constantes guerrilhas e do regime imposto pelos Talibãs ao país, o Afeganistão é dos países mais pobres e com mais carências do mundo.
Desde o início da instabilidade política, social e económica que milhares de afegãos procuram refúgio fora das fronteiras, principalmente no Paquistão.
Esta situação tornou-se incontrolável após o dia 11 de setembro de 2001. Data em que os Estados Unidos da América sofreram o maior atentado terrorista de sempre, perpetrado por extremistas islâmicos, ao World Trade Center e ao Pentágono.
O principal suspeito dos norte-americanos de organizar ataques terroristas e de estar por trás do ataque de 11 de setembro chama-se Osama Bin Laden - poderoso líder terrorista que se encontrava refugiado no Afeganistão - e a sua organização chamada Al Qaeda que se encontra espalhada pelo mundo. Na sequência das investigações e da obtenção de provas, pediram ao governo talibã para que lhes entreguassem Bin Laden. Mas este era importante no Afeganistão pela ajuda financeira e militar que proporcionava aos Talibãs.
A hesitação dos Talibãs e a vontade norte-americana (apoiada por um grande número de países, incluindo do Médio Oriente) de acabar com as redes terroristas anunciavam a possibilidade de uma nova guerra no Afeganistão, o que veio a acontecer em outubro de 2001. Bases militares dos Talibã começaram a ser bombardeadas pelos Estados Unidos e as guerrilhas entre o grupo resistente do norte do país e os Talibãs agravaram-se. O governo talibã foi derrotado em princípios de dezembro de 2001.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Guerra do Afeganistão na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-04 06:45:40]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros