Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Guilherme de Azevedo

Jornalista e poeta português, ligado à Geração de 70, nasceu a 30 de novembro de 1839, em Santarém, e morreu a 6 de abril de 1882, em Paris. Foi um dos representantes da poesia revolucionária introduzida em Portugal pelas Odes Modernas (1865) de Antero de Quental, sendo também influenciado por Vítor Hugo e Charles Baudelaire.
Filho de um escrivão das Finanças, fisicamente débil desde a infância como resultado de uma queda que o fez coxo e lhe provocou uma lesão de que viria a morrer prematuramente aos quarenta e dois anos, Guilherme de Azevedo viveria obcecado por esconder as suas maleitas físicas. Em 1871, funda ele próprio, em Santarém o periódico O Alfageme, que constituiu o primeiro momento da sua carreira jornalística e onde defende com escândalo as ideias revolucionárias da comuna de Paris. Após a morte do pai, instalou-se em Lisboa e enveredou definitivamente pelo jornalismo, profissão na qual atingiu uma posição relevante. Trabalhou no Diário da Manhã, em O Pimpão e na Lanterna Mágica. Colaborou no Primeiro de Janeiro com um folhetim semanal e também na imprensa brasileira.
Na sua outra faceta, a de poeta, Guilherme de Azevedo foi um autor representativo, abordando temas modernos numa escrita de índole épico-social. Publica os primeiros versos no Almanaque de Lembranças de 1864, sob o pseudónimo de G. Chaves, colaborando depois em vários periódicos, como o Comércio de Lisboa, a Revolução de setembro e a Gazeta do Dia, onde, de parceria com Guerra Junqueiro, assegura as crónicas humorísticas da rubrica "Ziguezagues". Com grande talento, fundou o António Maria em 1879, juntamente com Rafael Bordalo Pinheiro, e, ainda ao lado deste, dirigiu e colaborou no Álbum das Glórias. Ainda no mesmo ano, novamente com Guerra Junqueiro, escreve a sátira teatral Viagem à roda da Parvónia, que seria pateada e proibida, mas que Ramalho Ortigão consideraria uma "fiel pintura dos costumes constitucionais".
Guilherme de Azevedo (1840-1882), poeta e jornalista ligado à "Geração de 70"
Guilherme de Azevedo, jornalista e poeta
Guilherme de Azevedo nasceu em Santarém, em 1839
Em 1880, em consequência da fama conquistada como cronista mundano e político, a Gazeta de Notícias do Rio de Janeiro nomeou-o seu correspondente em Paris, função que desempenhou nos dois últimos anos da sua vida.
As suas poesias, reunidas nas três coletâneas Aparições (1867), Radiações da Noite (1871) e Alma Nova (1874), encarnam o novo realismo satânico de inspiração baudelairiana.
Com o pseudónimo João Rialto deixou vários escritos com elevado grau de humorismo.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Guilherme de Azevedo na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-05-18 14:00:43]. Disponível em
Artigos
ver+

Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais