Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Hair

Espetáculo musical norte-americano, subintitulado The American Tribal Love-Rock Musical, escrito por James Rado e Gerome Ragni e musicado por Galt MacDermot. Rado e Ragni começaram a desenvolver a ideia a partir de 1965, inspirados pelo ambiente hippie de paz e amor que se vivia nas ruas nova-iorquinas. Escreveram a peça desde esse ano até 1967, altura em que conheceram o compositor canadiano Galt MacDermot que acabou por musicar as suas letras. Desde logo, imaginaram um musical novo e diferente que pudesse ser representado na Broadway, mas as apresentações aos seus principais produtores foram sistematicamente rejeitadas. Um dia, o produtor do New York Shakespeare Festival, Joseph Papp, mostrou-se interessado em ter o Hair no recém inaugurado Public Theater, onde acabou por estrear a 17 de outubro de 1967. Após uma curta série de espetáculos, o produtor Michael Butler propôs a sua passagem para a Broadway, onde estrearia no Biltmore Theater a 29 de abril de 1968. Foi um enorme sucesso, mantendo-se em cena durante 1742 representações, até 1 de julho de 1972. Em Londres, estreou a 27 de setembro de 1968 e, a partir daí, foi representada inúmeras vezes em diversos outros locais do mundo.
O elenco original incluía os autores James Rado e Gerome Ragni, Shelley Plimpton, Kim Milford e Melba Moore, entre outros. A história centra-se num grupo chamado "The Tribe", constituído por ativistas políticos de cabelos compridos - "Hippies da Idade de Aquário" - que lutam contra o recrutamento para a Guerra do Vietname. Claude e Berger são dois amigos do grupo que não se conformam com o aviso de destacamento recebido por Claude, Sheila é uma apaixonada pelos dois. Estas são apenas algumas das personagens que simbolizam os tempos áureos dos hippies dos finais dos anos 60. Entre a longa lista de músicas do espetáculo, destacam-se "Aquarius", "Good Morning Starshine", "Let the Sunshine In" e "Easy to be Hard".
Hair causou muita controvérsia na época, pois desafiava os respetivos padrões morais, embora isso lhe proporcionasse também publicidade. O final do primeiro ato incluía nudez integral masculina e feminina, para além da linguagem obscena e da profanação da bandeira americana. Apesar de tolerados na cosmopolita Nova Iorque, estes temas tornaram-se questões legais complicadas quando o espetáculo iniciou digressões pelo país.
Em 1979, Milos Forman realizou uma versão cinematográfica homónima do espetáculo.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Hair na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-04 06:53:56]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais