Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Haiti

Geografia
País das Caraíbas. O Haiti ocupa a parte ocidental da ilha de Hispaniola, uma das Grandes Antilhas do mar das Caraíbas, e abrange uma área de 27 750 km2. Faz fronteira com a República Dominicana a leste e é banhado pelo oceano Atlântico a norte e pelo mar das Caraíbas a oeste e a sul. As principais cidades são Port-au-Prince, a capital, com 1 156 400 habitantes (2004), Carrefour (399 100 hab.), Delmas (338 700 hab.), Cap-Haïtien (129 500 hab.) e Pétionville (98 100 hab.).
A paisagem haitiana é dominada pela sucessão de sistemas montanhosos cortados por planícies férteis e densamente povoadas.
Praia de veraneio no Haiti
Bandeira do Haiti
Clima
O clima é tropical húmido, embora possua características próprias resultantes da altitude e da forte influência marítima.
Economia
A agricultura é a principal atividade económica e as suas principais produções para exportação são o café, a cana-de-açúcar e o cacau. Contudo, na sequência do aumento populacional registado no país, os agricultores têm incrementado a produção de milho, arroz, fruta e vegetais.
A atividade piscatória é de pouca relevância dado o estado de subdesenvolvimento em que se encontra. Quanto ao setor industrial, também este reflete a conjuntura económica do país, não conseguindo arrancar para fases superiores de rendimento, devido não só ao pequeno mercado que o Haiti representa, mas também à concorrência que os produtos importados dos Estados Unidos da América e da República Dominicana, de qualidade superior, lhe fazem. Ainda assim, as indústrias dedicadas ao processamento de componentes eletrónicos e de têxteis conseguem sobreviver à custa do escoamento que o mercado norte-americano proporciona. Os principais parceiros comerciais do Haiti são os Estados Unidos da América, a França, a Alemanha e o Japão.
Indicador ambiental: o valor das emissões de dióxido de carbono, per capita (toneladas métricas, 1999), é de 0,2.
População
A população era, em 2006, de 8 308 504 habitantes. As taxas de natalidade e de mortalidade são, respetivamente, de 36,44%o e 12,17%o. A esperança média de vida é de 53,23 anos. Estima-se que, em 2025, a população seja de 9 550 000 habitantes. Em termos étnicos, os negros correspondem a 95% da população. As religiões mais representativas são o catolicismo (69%) e o protestantismo (24%). A língua oficial é crioulo haitiano e o francês.
História
A ilha, que inclui o Haiti e a República Dominicana, foi descoberta por Cristóvão Colombo a 6 de dezembro de 1492, recebendo então o nome de ilha Hispaniola. Até à cedência do terço ocidental da ilha à França (passando a chamar-se Santo Domingo), em 1697, a presença espanhola caracterizou-se pela opressão exercida sobre os naturais da ilha, quer utilizando-os como escravos quer exterminando-os pela guerra, repovoando a ilha com escravos africanos. A utilização destes escravos foi prosseguida pelos Franceses, que tornaram a ilha na colónia mais próspera do Novo Mundo, graças às explorações rendáveis de açúcar, café, cacau e algodão. Em 1791, com o advento da Revolução Francesa, os escravos (que constituíam mais de 90% da população) revoltaram-se, conseguindo a independência de toda a ilha em 1804, sendo batizada então de Haiti. Desta data em diante, teve lugar uma sucessão de revoluções e golpes de estado que consecutivamente levaram ao poder regimes ditatoriais, situação esta que desestabilizou a região, dado que várias foram as tentativas haitianas de anexar a República Dominicana. Em 1915, os Estados Unidos ocupam o Haiti sob o pretexto de urgente intervenção humanitária. Até 1934, os Norte-Americanos empreendem um programa de obras públicas com base em trabalhos forçados, o que foi conseguido através de uma política desfavorável às pretensões sociais dos Haitianos, ou seja, afastando-os do poder político, administrativo, económico e social. Embora a retirada dos norte-americanos tenha ocorrido em agosto de 1934, a verdade é que os Estados Unidos mantiveram um controlo indireto sobre o país até 1947. Com a saída dos Norte-Americanos veio um novo período de instabilidade governamental, o qual terminou em setembro de 1957 com a eleição de François Duvalier para a presidência da República. Duvalier pôs então em prática uma política a todos os níveis repressiva, constituindo mesmo um exército particular cujo objetivo único era aterrorizar a população. Apesar das pressões externas e do descontentamento social, François Duvalier manteve-se no poder até à sua morte em 1971, sucedendo-lhe o seu filho, Jean-Claude Duvalier, que, embora mantendo o poder político absoluto, diminuiu a repressão ao ponto de obter ajuda externa, sobretudo dos Estados Unidos. A 7 de fevereiro de 1986, Jean-Claude Duvalier é deposto pelos militares, que aproveitaram uma conjuntura favorável provocada pelo descontentamento popular. As primeiras eleições livres na história do Haiti realizaram-se em 1990, levando à presidência da República Jean-Bertrand Aristide, que, um mês depois, viu os seus apoiantes ganharem as eleições legislativas. No entanto, em setembro de 1991, um junta militar depôs Aristide, substituindo-o pelo Brigadeiro Raoul Cédras. Em consequência disso, os Estados Unidos impuseram um embargo político e económico cujos resultados foram diminuídos pelo contrabando existente com a República Dominicana. Sob a égide da ONU e da OEA (Organização dos Estados Americanos), os Estados Unidos negociaram o regresso de Aristide ao poder, mas o processo foi bloqueado pelos militares haitianos. Só quando a ONU autorizou uma hipotética invasão do Haiti por parte dos Estados Unidos é que foi possível à missão de paz norte-americana desbloquear as negociações, permitindo o regresso de Aristide ao país (15 de outubro de 1994), ao mesmo tempo que obrigava os militares no poder desde 1991 (coronel Joseph Michel François, comandante da Polícia; general Raoul Cédras, comandante das Forças Armadas; e general Philippe Biamby, chefe do Exército) a exilarem-se na República Dominicana (cor. François) e no Panamá (gen. Cédras e gen. Biamby).
Nas eleições de 1995, Aristide não pôde concorrer, de acordo com a Constituição vigente no país que só permite um mandato. Assim sendo, René Prével torna-se presidente do país, prometendo o desenvolvimento económico do país. Contudo, durante o seu mandato várias greves, geralmente causadas por insatisfação salarial, foram levadas a cabo, denotando a crise económica que assolava o país. A violência aumentou e não havia estruturas para combater a situação. Para tal, contribuiu também a instabilidade governamental, com a demissão, em 1997, do primeiro-ministro Rosny Smarth e a rejeição por parte do parlamento dos dois primeiros candidatos ao lugar escolhidos pelo presidente. Jacques-Edouard Alexis (o terceiro nome apontado pelo presidente) ocupou, finalmente, o cargo quando Prével tomou a atitude de o eleger por decreto, não reconhecendo o poder parlamentar. Novas eleições para o parlamento foram requeridas pelo primeiro-ministro. Em 2000, o partido então no governo, Famni Lavalas, é reeleito por maioria. No ano seguinte, Aristide concorre novamente à presidência da República e vence as eleições, que foram de imediato contestadas pela oposição, situação para a qual não foi encontrada solução imediata. No mesmo ano, o Palácio Nacional foi alvo de um ataque, que provocou vítimas mortais mas ao qual o presidente sobreviveu.
Em fevereiro de 2002 o então primeiro-ministro Cherestal demitiu-se, tendo sido substituído por Yvon Neptune no mês seguinte.
A situação política e de tensão agravou-se quando o grupo rebelde do Norte, chefiado por Guy Philippe (ex-comissário da polícia), resolveu agir atacando vários pontos do país, com o objetivo de pressionar Aristide a demitir-se. Entretanto, a população recebia ajuda do PAM (Programa Alimentar Mundial) para fazer face à situação de miséria. No início de 2004, Aristide apelou à mobilização dos seus partidários de forma a poder garantir o seu mandato até ao final, prometendo pôr fim à miséria e restabelecer a paz. O país assistiu a várias manifestações nesse sentido, mas a pressão, os ataques dos rebeldes, o clima de violência e pilhagem que se geraram em consequência da instabilidade política e da crise económica levaram a que o presidente Jean-Bertrand Aristide anunciasse a sua demissão a 29 de fevereiro de 2004 e à sua consequente saída do país. Foi interinamente substituído por Boniface Alexandre.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Haiti na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-14 06:46:54]. Disponível em
Artigos
ver+

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais