Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Hanan al-Shaykh

Escritora libanesa, Hanan al-Shaykh nasceu a 12 de novembro de 1945, na cidade de Beirute. Oriunda de uma família tradicionalista islâmica e conservadora, frequentou uma escola primária de inspiração profundamente religiosa. Prosseguindo os seus estudos na Escola Ahliyyah, começou nesta altura a escrever, encontrando assim a melhor forma de sublimar a revolta que sentia contra o pai e o irmão. Estes insistiam em tratá-la em conformidade com os preceitos ortodoxos muçulmanos, que consideram a mulher como uma criatura sem alma e incapaz de tomar decisões.
Assim, em 1961, com apenas dezasseis anos, começou a publicar artigos no jornal Al-Nahar. Aos dezoitos anos de idade, ingressou no Colégio Feminino Americano do Cairo, no Egito. Terminando os seus estudos em 1966, regressou ao Líbano, onde deu início a uma carreira como jornalista de televisão e imprensa, colaborando com a revista feminina Al-Hasna' e, entre 1968 e 1975, para o Al-Nahar.
Em 1970 publicou o seu primeiro romance, Intihar Rajul Mayyit, que havia começado a escrever durante a sua estadia no Egito. Tendo como narrador um homem de meia-idade, a obra analisava as relações de poder entre ambos os sexos, procurando demonstrar uma nova perspetiva crítica do patriarcalismo islâmico.
No ano seguinte apareceu Faras Al-Shaitan (1971), romance que Al-Shaykh havia começado a preparar numa altura em que viveu no Golfo Pérsico, e que revelava detalhes da sua própria vida, recorrendo às técnicas de analepse e prolepse, primeiro no seio da família extremamente religiosa, depois o seu enamoramento e a partida para um novo lar, o do seu novo esposo.
Em 1976, com a entrada de tropas sírias no Líbano, o que originou uma guerra civil, Hanan Al-Shaykh optou por partir para a Arábia Saudita, onde continuou a escrever. Publicou Hikayat Zahrah em 1980, tendo para isso que recorrer a uma edição de autora, já que a obra desafiava os estatutos patriarcais que regiam as próprias editoras libanesas. Interdito na grande maioria dos países árabes, o romance conta a história de uma jovem, de nome Zahrah, que tenta sobreviver no Líbano devastado pela guerra, resistindo à opressão sexual da sociedade islâmica através do casamento, e acabando por engravidar de um amante, franco-atirador no lado inimigo. A obra deu a Hanan Al-Shaykh uma certa reputação internacional como escritora, tendo sido grandemente aclamada nos meios literários do Ocidente.
Em 1982 mudou-se para Londres, onde deu início à preparação de Misk Al-Ghazal (1989). O romance abordava de novo o tema da discriminação sexual por uma sociedade essencialmente patriarcal. Relatando o percurso de quatro mulheres, Al-Shaykh procurou exprimir o direito da mulher a liberdades como a escolha da orientação sexual e profissional.
No ano de 2000 apareceu o seu primeiro romance escrito na língua inglesa, Only In London, em que a autora procurou exprimir de forma bem-humorada o cosmopolitismo de uma nova geração islâmica residente na Europa.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Hanan al-Shaykh na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-04 15:57:33]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros