Natal WOOK
Livros e Autores

Abelhas Cinzentas

Andrei Kurkov

A aldeia das almas desaparecidas

Richard Zimler

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Harry Connick Jr.

Cantor norte-americano, nascido Joseph Harry Fowler Connick Jr. em Nova Orleães, no estado da Luisiana, a 11 de setembro de 1967. Filho do Promotor Público de Nova Orleães e de uma juíza, os seus pais tinham uma loja de discos que despertou um precoce interesse na música no pequeno Harry. Começou no piano, aos três anos, e aos seis já tocava em público. Gravou pela primeira vez aos 11 anos, em 1978, mas este álbum, de título 11, que corresponde à sua idade na altura, apenas foi editado em 92, quando a música de Connick já alcançava o grande público. O disco foi bastante bem conseguido, tendo em conta a sua ingenuidade - os músicos que nele colaboraram, profissionais, mereceram destaques semelhantes, não sendo o disco uma tentativa de exibir o seu talento precoce.

Após a sua primeira gravação, esteve no circuito de jazz do French Quarter, o bairro antigo da cidade. Teve então a oportunidade de receber aulas dos pianistas Ellis Marsalis e James Booker, que tiveram uma enorme influência na sua educação musical; o primeiro no jazz e o segundo nos blues. Aos 18 anos, mudou-se para Nova Iorque e, um ano depois, gravou dois discos. O primeiro foi em trio de jazz e o segundo foi o álbum 20, onde estreou a sua voz em disco. Estes álbuns dos seus aniversários (exceto o 11) têm por conceito a gravação à volta das 12 faixas, com Harry sempre a solo ao piano (por vezes cantando) e com três convidados (instrumentais e vocais) gravados em faixas diferentes.

Em 1989, o realizador Rob Reiner que estava a rodar o filme When Harry Met Sally (Amor Inevitável), com Billy Cristal e Meg Ryan, e querendo incluir no filme canções dos anos 20 e 30, pediu a Harry Connick que fizesse a banda sonora. Revelou-se um sucesso: o disco foi dupla platina, a crítica foi positiva e seguiu-se uma tournée mundial. Este disco inclui um trio de jazz, solos de piano, e conta com a participação do saxofonista Frank Wess (que toca um solo em "Our Love Is Here to Stay").

Com este álbum, Harry Connick foi considerado um bom seguidor de Frank Sinatra. No ano seguinte, o álbum We Are in Love estreou canções compostas por Connick, como a faixa-título e "Recipe for Love", com orquestrações e arranjos de Marc Shaiman e de Connick, e vendeu dois milhões de cópias. Em 1991, lançou Blue Light, Red Light, um álbum de originais. No ano seguinte foi editado o álbum 25 seguido de When My Heart Finds Christmas, em 1993, com o qual Connick cumpre a tradição dos cantores pop-jazz de gravarem um álbum de Natal (e que inclui "I Pray on Christmas", composto pelo próprio).

Em 1994, Harry Connick optou por um álbum mais próximo da música pop e lançou She (que foi disco de platina); em 1996, Star Turtle, que entra no campo da música funk de Nova Orleães; e, em 1997, To See You, composto de baladas do próprio Connick com orquestra sinfónica. Finalmente, em 1999, voltou com Come by Be, que foi considerado o álbum mais bem conseguido segundo o San Francisco Chronicle. Em 2001, foram editados dois álbuns: 30, gravado em 1997, e Songs I Heard, um conjunto de canções de filmes (como Mary Poppins, Feiticeiro de Oz, Música No Coração, Annie) e de espetáculos da Broadway.

É de referir também a sua presença em vários filmes: Memphis Belle (1990), Little Man Tate, realizado e protagonizado por Jodie Foster (1994), Copycat, um thriller com Sigourney Weaver e Holy Hunter, O Dia da Independência (1996), Excess Baggage e Hope Floats, contracenando com Sandra Bullock.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Harry Connick Jr. na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-12-05 04:38:25]. Disponível em
Artigos
ver+
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Harry Connick Jr. na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-12-05 04:38:25]. Disponível em
Livros e Autores

Abelhas Cinzentas

Andrei Kurkov

A aldeia das almas desaparecidas

Richard Zimler

A Intuição da Ilha

Pilar del Río