Academia Virtual - O Poder da Voz

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Herança Muçulmana

Do período em que os árabes estiveram na península retemos a assimilação islamo-judeu-cristão que no al-Andaluz faz nascer uma especulação intelectual, em todos os domínios, e um florescimento artístico que não tem equivalente na Europa de então. Destas três componentes podemos tomar como símbolo o muçulmano Averróis (Muhammad ibn Ruchd), o judeu Maimónides (Moshe ben Maimon), o italiano Gerardo de Cremona e o catalão Raimundo Lullo, que vinham beber às fontes da ciência árabe. A Espanha muçulmana teve um papel primordial na transmissão das obras de filosofia e de ciência greco-latina para a Europa em traduções melhoradas pelos progressos árabes e pelas bibliotecas (a do califa al-Hakam II em Córdova encerrava, em finais do século X, 400 000 volumes). A Europa, na época menos avançada em termos de produção cultural (exceto alguns mosteiros), foi buscar em diversas disciplinas (Medicina, Filosofia, Matemáticas) elementos que lhe serviram para a sua própria Renascença.
Deste período retemos igualmente a força material e a eclosão em Espanha e no Magrebe de cidades nas quais a arquitetura, o urbanismo, a arte dos jardins, a vida da corte, as belas letras dão um brilho que ainda hoje podemos admirar em Córdova, mas também em Saragoça, Toledo, Valência, Sevilha e por fim Granada no lado de cá do estreito de Gibraltar; Fez, Rabat, Marrakech, Bougie, do outro.
O longo domínio muçulmano na Península teve também consequências inevitáveis em termos artísticos. O contacto entre a arte cristã peninsular (visigótica) e a arte do invasor deu origem a uma arte peculiar, que se denominou moçárabe. A esta sucede-lhe no tempo a mudéjar, contrastando com a anterior, já que é fruto da expansão da Reconquista, uma inversão da situação histórica, pois os mouros estão agora submetidos aos cristãos. A grande época da arte mudéjar situa-se no século XIV e XV, em Castela, quando as influências muçulmanas se fundem nos monumentos góticos. Em Portugal também podemos apreciar esta arte na torre gótica de Beja, no castelo do Alandroal e na Sé de Évora.
Torre de menagem, Beja
A atração e o prestígio desta civilização eram tais que milhares de autóctones (denominados moçárabes) a adotaram, conservando a sua língua, a cultura, os costumes e os trajes daquele povo.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Herança Muçulmana na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-10-05 03:40:17]. Disponível em
Artigos
ver+
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Herança Muçulmana na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-10-05 03:40:17]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais