Livros e Autores

Abelhas Cinzentas

Andrei Kurkov

A aldeia das almas desaparecidas

Richard Zimler

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Bom português

puder ou poder?

ver mais

trás ou traz?

ver mais

impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

ícone (religião)

A palavra grega "ícone", ou melhor "eikon", significa "imagem", uma representação que é usualmente de uma ou mais pessoas que podem fazer ou não parte de um episódio.
O termo ícone passou a designar, especificamente, o género de imagens produzidas para o culto na Igreja Ortodoxa nos países eslavos e na zona de influência bizantina (sendo a atual cidade de Istambul – antiga Bizâncio/Constantinopla – o seu centro). A iconografia destas imagens compreende episódios dos Evangelhos, do Antigo Testamento, das festas religiosas, do calendário e representações de santos, de Cristo, de Nossa Senhora, de mártires e de apóstolos. Diante dos ícones, únicas representações admitidas pelo rito ortodoxo, são colocadas velas e perante eles os crentes ajoelham-se e benzem-se, após o que beijam as imagens. Ao longo da História nem sempre os ícones foram aceites pela Igreja Ortodoxa como objeto representativo do culto prestado à Virgem Maria, aos santos e a Jesus Cristo, tendo havido acesos debates teológicos e períodos de iconoclastia (nomeadamente durante o reinado da imperatriz Irene). Estes debates resultaram da fricção entre a tradição declaradamente iconófila ("amiga dos ícones ou de representações") da Igreja Católica Romana e da tendência contrária da Igreja Ortodoxa. Uma das épocas de iconoclastia foi em 726, altura em que o imperador de Constantinopla, Leão III Isáurico, restringiu o culto às imagens por este ter chegado a extremos como a crença de que eram um produto sobrenatural e não feitas pelo Homem. Foi com o Concílio de Niceia II, de 787, que a legitimidade do culto às imagens foi acordada entre as duas Igrejas e permitida no Oriente até à nova e última crise iconoclasta do século IX.
Crê-se que São Lucas pintou o primeiro retrato ou ícone da Virgem Maria, fundamentando a representação quase inalterada, baseada em cópias fiéis e constantes, da Mãe de Deus. A cópia inalterada é, aliás, a base da iconografia geral da Igreja Ortodoxa, visto que o que se pretende é a fidelidade ao original ou ao que lhe está mais próximo. Assim se garante a pureza e a verdade da imagem do que é adorado. Todos os pormenores, desde as cores à postura dos diversos elementos constituintes da composição, têm o seu significado preciso e são simbólicos, pelo que não resta espaço para a liberdade artística individual. Na estrutura das igrejas ortodoxas faz parte a "iconostase", que é uma parede constituída por ícones que faz a separação entre a nave e o sacrário e cujo conjunto representa uma síntese teológica da doutrina ortodoxa. Fisicamente, os ícones são constituídos por uma prancha de madeira sobre a qual se colocam camadas de gesso, de cola e tela e se faz a composição pictórica com pão de ouro, água, gema de ovo e pigmentos de origem animal e vegetal.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – ícone (religião) na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-11-27 16:21:36]. Disponível em
Livros e Autores

Abelhas Cinzentas

Andrei Kurkov

A aldeia das almas desaparecidas

Richard Zimler

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Bom português

puder ou poder?

ver mais

trás ou traz?

ver mais

impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais