Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Igreja da Misericórdia da Guarda

A fachada da Igreja da Misericórdia é fortemente marcada pela sua verticalidade, ainda mais evidenciada pelo contraste das paredes brancas com o volumoso e animado trabalho de cantaria - nos portais, janelas, baldaquino e cunhais.
É possivel que o edifício de linhas tipicamente barrocas que hoje podemos admirar esteja assente numa outra edificação anterior, dos finais de século XVI ou começos do século XVII. É no interior do templo que encontramos alguns destes indícios. Na ousia, o túmulo do fundador da igreja, Simão Antunes de Pina, de inspiração renascentista, mostra a data de 1611, relativa à sua morte, o que leva a crer que esta já estaria concluída anteriormente. Esta ideia é reforçada pelas várias lápides do chão da nave e que aparecem datadas do século XVII.
A frontaria da igreja é delimitada por duas esbeltas torres sineiras terminadas em balaustradas, com fogaréus nos ângulos, envolvendo os coruchéus moldurados de perfil bojudo e coroados por cataventos. Destacam-se ainda nas torres as suas altas ventanas, em arco de volta perfeita, seguidas inferiormente por dois óculos elipsoidais e duas janelas, sendo a última de pequenas dimensões e a primeira de sacada. A conjugação harmoniosa de todos estes elementos, postos num mesmo eixo desde a pequena janela ao remate em catavento, criam altura e leveza a esta bela fachada setecentista.
O corpo central apresenta-se ligeiramenta avançado, enquadrado por dois cunhais encimados por fogaréus e rematado por frontão de volutas ondeado, encimado por cruz latina. Este corpo é rasgado por um portal sobrepujado por baldaquino e duas janelas. O portal, formado por arco curvo, moldurado por colunas seguidas de frontão curvo interrompido, é rematado por arco conopial. O alfiz encontra-se preenchido pelo volumoso escudo de armas de D. João V.
O baldaquino que protege a imagem de Nossa Senhora da Misericórdia, uma bonita escultura em jaspe, repete o mesmo esquema organizativo do portal mas sem o remate do arco conopial.
O templo, de nave única com cobertura em abóbada de madeira, amplo e harmonioso, é animado pela talha barroca joanina dos altares, retábulos e púlpitos. São de salientar ainda no interior as tribunas rasgadas na parede por três arcos abatidos, colocadas ao nível do coro alto e destinadas aos membros da confraria.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Igreja da Misericórdia da Guarda na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-15 17:04:25]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais