Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Igreja de S. Pedro (Amarante)

A Igreja de S. Pedro foi edificada no século XVIII no lugar da antiga Capela de S. Martinho que, por sua vez, já tinha sido ocupado pela Misericórdia de Amarante. A obra foi encomendada a pedido da Irmandade de S. Pedro e terá sido concluída em 1727, data inscrita na pedra de fecho do arco que forma a ventana no pano da fachada principal.
A fachada barroca do templo é marcada pela sua verticalidade. Divide-se em três pisos: no térreo, ao centro, rasga-se uma porta de vão retangular, sobrepujada por um frontão interrompido de volutas, rematado por volumosa e agitada cartela, onde se inscreve uma tiara e cruz pontifícia. O pórtico é enquadrado por duas pilastras que o separam de dois corpos laterais, rematados, ao nível do frontão, por uma pequena arcaria ostentando no seguimento dos cunhais, à direita, a imagem de S. Pedro e, à esquerda, a de S. Paulo. O piso intermédio e o superior, no eixo da porta, formam a torre sineira, terminada por um parapeito de arcaria pequena com pináculos nos ângulos. Este conjunto é coroado uma tiara e cruz papal, em alusão ao seu padroeiro. O conjunto arquitetónico é animada pelo contraste do granito da cantaria e o branco dos panos, como é característico do barroco nortenho.
O interior do templo, de nave única e ampla, é animado pela beleza e harmonia dos diversos trabalhos em talha, azulejo e pintura. O rodapé das paredes reveste-se de azulejos amarelos e brancos e a abóboda de berço da cobertura por estuques pintados, ornamentada por temas de cariz vegetalista.
A nave apresenta dois altares laterais, à esquerda o de Nossa Senhora Auxiliadora, onde podemos apreciar as imagens, possivelmente seiscentistas, de S. Martinho e de S. Gonçalo, e à direita o da Sagrada Família, que alberga as três imagens, de grandes dimensões e também seiscentistas, do Menino Jesus, Nossa Senhora e S. José. Ambos apresentam retábulos em talha policromada, de ornatos ao gosto rocaille, em conjugação com uma estrutura arquitetónica de pendor neoclássico.
Os púlpitos, em talha pintada a branco, decorada com motivos fitomórficos dourados, são coroados com sanefas de idêntica ornamentação.
Os retábulos colaterais de cantoneira em talha polícroma ostentam superfícies planas pintadas imitando mármore e animadas por fios dourados, sentindo-se aqui também a conjugação de dois estilos. O altar colateral direito é de invocação a Nossa Senhora da Conceição e o da esquerda alberga uma imagem de Cristo na Cruz, em madeira policromada, datável do século XVII.
Na capela-mor, o rodapé é igualmente forrado a azulejos seiscentistas e a cobertura é formada por uma abóbada em pedra apainelada, encerrando pinturas da primeira metade de setecentos. O retábulo-mor foi desenhada por Miguel Francisco da Silva em meados do século XVIII, tendo tido como entalhador o portuense José da Fonseca Lima, mais tarde substituído pelo mestre de Braga, Jacinto da Silva, que o concluiu. É um retábulo, profusamente decorado por salientes volutas e folhas de acanto. Lateralmente, apresenta dois nichos que encerram as imagens de S. Pedro, à direita, e de S. Paulo, à esquerda, ambas de madeira policromada. Axialmente, no remate, mostra em relevo as chaves de S. Pedro e a tiara papal. Na parte inferior do trono ostenta o sacrário, também ele fortemente decorado, onde se realça a representação de uma custódia.
Existem ainda nas paredes da ousia mais dois retábulos em baixo-relevo, onde se representa, do lado do Evangelho, S. Pedro a ser libertado das grilhetas por um anjo, do lado oposto da epístola, S. Paulo a ser derrubado do cavalo, durante a perseguição aos cristãos na estrada de Damasco.
Notável é o teto da sacristia de madeira, em tom natural e todo entalhado. É uma peça dos finais do século XVII, formada por vinte e cinco quadrados com florões nos cruzamentos. De relevo pela sua qualidade é também a moldura em talha dourada, que encerra a pintura de Cristo na Cruz exposta também na sacristia.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Igreja de S. Pedro (Amarante) na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-05-29 12:59:41]. Disponível em

Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros