Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Igreja de S. Vicente (Guarda)

A Igreja de S. Vicente da cidade da Guarda localiza-se na Rua Direita. Trata-se de um templo barroco reconstruído em 1790, sob o patrocínio do bispo D. Jerónimo Rogado de Carvalhal e Silva, eclesiástico que fora transferido em 1772 da diocese de Portalegre para a da Guarda.
O risco de arquitetura desta igreja setecentista foi realizado por António Fernandes Rodrigues, bolseiro em Itália e que, após o ano de 1781, ocuparia a vaga de professor de desenho da Casa Pia. Este artista mulato viria a falecer em 1804.
A Igreja de S. Vicente é uma obra tardia do Barroco do século XVIII, imbuída de algumas características próprias da igreja militante saída do Concílio de Trento. Erguia-se numa zona ampla e dominadora, tinha a sua cabeceira mais elevada do que o corpo da igreja e estava orientada para Oriente. O valor catequético do programa iconográfico da sua decoração acentuava essa vertente de fé militante e comovente.
A fachada possui alguma imponência, sem no entanto atingir a movimentada profusão decorativa do barroco. O portal é obra de aparato, composto por colunas quadrangulares reentrantes e assentes em pedestais, suportando um frontão interrompido de linhas curvas e volutas, inserindo-se no centro uma cartela emoldurada com relevos fitomórficos e coroada por um reentrante frontão mistilíneo. Acima desta, rasga-se um janelão que estabelece a iluminação interior. A frontaria é delimitada por duas torres sineiras.
Constituída por uma só nave coberta por telhado de madeira, a Igreja de S. Vicente possui um notável conjunto de historiados painéis de azulejos policromos, obra "rocaille" do último quartel do século XVIII e que são atribuídos ao ceramista de Coimbra, Sousa Carvalho.
O ciclo de painéis de azulejos narram episódios da vida de Cristo, da Virgem e ainda reproduzem emblemas cristológicos, emoldurados por uma riquíssima e assimétrica decoração de concheados, cartelas e elementos arquitetónicos, onde predominam o azul manganês, o amarelo e o branco.
Assim, na entrada observa-se a Fuga para o Egito enquanto na zona da pia batismal se conta o episódio do Batismo de Cristo.
As paredes da nave da igreja são forradas com episódios marianos e cristológicos, narrando, entre outros acontecimentos, a "Anunciação", a "Visitação" ou ainda "A Adoração dos Reis Magos".
O percurso narrativo prolonga-se na capela-mor, onde se notam cenas da Paixão e Morte de Cristo. Abaixo das janelas da ousia, um painel assinala os símbolos do Martírio de Jesus Cristo.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Igreja de S. Vicente (Guarda) na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-20 03:08:52]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais