Academia Virtual - O Poder da Voz

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Igreja de Santa Cruz do Convento de S. Domingos

O Convento de São Domingos de Viana do Castelo foi fundado no ano de 1563 pelo recém-nomeado arcebispo primaz D. Frei Bartolomeu dos Mártires, que a Foz do Lima tomaria por padroeiro, e durante vários séculos permaneceu sendo o edifício mais vultuoso daquela antiga vila. Após a sua extinção, em 1834, o conjunto foi sujeito às costumadas mutilações e sevícias, passando a igreja a albergar a paróquia de N. S. de Monserrate e sendo instaladas nas restantes dependências diversas repartições públicas.
A igreja, da invocação de Santa Cruz, começou a construir-se em 1566, com a abertura dos alicerces da capela-mor e só estaria concluída dez anos mais tarde, embora já se encontrasse aberta ao culto desde o ano de 1571. É considerada um paradigma das origens do chamado «estilo chão» e o seu risco deve-se ao dominicano frei Julião Romero - que anteriormente traçara o templo de São Gonçalo de Amarante -, a quem o venerável prelado impôs a moderação do seu «engenho e magnanimidade», ordenando a partir do Concílio de Trento «que o edificio seja forte mas pobre porque dessa maneira Deos sera servido».
No seu exterior, de aspeto vagamente militar, o destaque vai para o magnífico pórtico de feição retabular e para os espetaculares cubelos de influência francesa colocados sobre os contrafortes dos ângulos exteriores da capela-mor, solução inédita no panorama artístico português. Internamente, merece particular realce o retábulo maneirista da Capela de N. S. dos Mares e o retábulo barroco da Capela de N. S. do Rosário, bem como o belo sarcófago de mármore de Pero Pinheiro onde repousa o prelado fundador.
Estrutura retabular do pórtico da Igreja de Santa Cruz do Convento de S. Domingos, em Viana do Castelo
A frontaria, de belo efeito cenográfico, é marcada pelo sobressaliente retângulo de granito de Afife que constitui o corpo central, no qual se recorta o esplêndido retábulo-fachada de inspiração clássica que contém o pórtico, solução muito utilizada em Espanha nos meados do século XVI. É ao gosto renascença, desenhado em três ordens sobrepostas de interpretação algo livre, combinando a sua decoração elementos alusivos à temática dominicana e à História da Igreja. Nos lados, o decorativismo retabular é fortemente contrastado pela simplicidade dos pequenos corpos revestidos de cal e rematados por aletas.
No exterior, além dos elementos já referidos, são ainda dignos de nota os enormes gigantes que amparam a parede do lado sul e a torre quadrangular datada de 1707.
O interior do templo é amplo e bem proporcionado, mas o espírito contra-reformista da época terá certamente contribuído para a sua austeridade. Tem planta cruciforme e nave única, com fundas capelas laterais intercomunicantes e larga cabeceira; e, no alto, um belo teto de madeira em caixotões. Na capela-mor, além do retábulo de talha dourada setecentista, encontra-se a marmórea arca tumular do fundador, falecido em 1590.
Do conjunto de capelas salienta-se a da Senhora dos Mares - transformada em batistério -, que possui um belo retábulo de talha maneirista datado de 1613, do qual se destaca um painel esculpido com uma cena alusiva à entrada da barra de Viana; e sobretudo a de N. S. do Rosário, situada no braço norte do transepto, com o seu exuberante retábulo de talha barroca de estonteante movimento e belíssimo efeito plástico. O seu desenho foi encomendado pela Confraria do Rosário, no ano de 1760, ao célebre artista minhoto André Soares, e a sua execução entregue ao mestre entalhador bracarense José Alvares de Araújo, sendo considerado pelo distinto investigador Robert Smith «uma obra-prima do estilo rocaille de toda a Europa».
Foi classificada Monumento Nacional por decreto de 16 de junho de 1910.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Igreja de Santa Cruz do Convento de S. Domingos na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-10-01 17:52:09]. Disponível em
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Igreja de Santa Cruz do Convento de S. Domingos na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-10-01 17:52:09]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais