Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Igreja dos Terceiros de S. Francisco (Viseu)

Numa das zonas centrais e movimentadas de Viseu localiza-se um dos templos mais tranquilos e bonitos desta cidade beirã. Trata-se da Igreja dos Terceiros de S. Francisco, templo edificado ao longo do século XVIII e terminado no ano de 1773.
Marcada pela linguagem triunfante do barroco setecentista, esta igreja viseense foi riscada por António Mendes Coutinho, arquiteto de Lamego e que foi discípulo do italiano Nicolau Nasoni.
Erguida num amplo e elevado espaço de um parque natural da cidade, a igreja franciscana é antecedida por uma monumental escadaria de vários patamares. Delimitada por dois cunhais de pedra e rematados por duas urnas, a sua frontaria é uma soberba obra do barroco setecentista, desde logo rasgada por um portal grandioso, composição formada por arco ondeado e enquadrado por duas pilastras, sobre as quais se desenha um frontão interrompido moldurando um escudo central relevado com os símbolos franciscanos, rematado superiormente por frontão de linhas mistilíneas.
Igreja dos Terceiros de S. Francisco em Viseu
Lateralmente e num plano mais elevado, abrem-se dois movimentados janelões de aventais moldurados e ondeados, sobrepujados por frontões triangulares. Acima do portal nobre está um óculo quadrifoliado, de moldura ondeada e reentrante. A empena desenha linhas contracurvadas e termina axialmente num frontão triangular, sobre o qual está um plinto com uma cruz latina. Num plano ligeiramente recuado à fachada, fechando o seu lado norte, eleva-se a torre sineira quadrangular, protegida por uma balaustrada e coberta por uma cúpula bolbosa.
Espaço amplo e bonito é também o seu interior, constituído por corpo retangular e cabeceira octogonal. O corpo é formado por uma só nave coberta por uma abóbada de berço. As suas paredes são revestidas por um silhar de azulejos figurados de tonalidades azul e branco, obra de uma oficina conimbricence do século XVIII e que conta doze episódios da vida de S. Francisco.
O trabalho compositivo dos altares e retábulos da igreja é feito de uma forma semelhante, obras barrocas da segunda metade do século XVIII formadas por talha dourada e policromada, recorrendo à multiplicidade colorida da pintura imitando os veios do marmoreado. Na parte superior das suas paredes podem-se observar diversas telas hagiográficas barrocas, todas elas enquadradas por magníficas molduras douradas rocaille. A nível escultórico, o destaque vai para um seiscentista Senhor dos Aflitos.
A capela-mor é coberta por uma cúpula octogonal, tendo na parte superior das paredes duas varandas interiores de bom nível, com o seu jogo entre o lavor da pedra e o cromatismo do marmoreado em conjugação com a douradura. No primeiro andar desta capela-mor está localizada a Casa do Despacho, espaço onde se encontra um pequeno museu, cujas paredes são forradas por belas tapeçarias setecentistas de Tunes, podendo ainda admirar-se elegantes peças de mobiliário do século XVIII - destacando-se deste conjunto duas cómodas da mesma época.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Igreja dos Terceiros de S. Francisco (Viseu) na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-03 09:14:11]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros