Academia Virtual - O Poder da Voz

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Iniciação Estética Seguida de Críticas e Crónicas

Publicada em 1958, na coleção "Saber", num momento de intenso debate sobre a teoria e prática de diversas correntes e tendências estéticas, Iniciação Estética é uma tentativa de resposta, entre outras, às questões: "O que é a arte? A que necessidade humana corresponde?
De onde lhe vem uma validade que desafia épocas e civilizações, sociedades e culturas, gostos e escolas, mentalidades e ideologias, antagonismos e interesses? Porque é ela irredutível a outras formas de expressão?". Compulsando filosofias e exemplos numa busca de definição universal do belo, conclui que "a arte consiste em objetos criados pela sensibilidade cultivada, nas circunstâncias da prática social, que diretamente se oferecem à sensibilidade, proporcionando uma comunicabilidade direta, sem conceito". Da intervenção crítica e teórica veiculada pelos artigos e crónicas coligidos neste volume, um deles merece destaque pela polémica que desencadeou, nas páginas de Vértice, com António José Saraiva, e pelo seu carácter representativo relativamente à conceção da prática artística neorrealista para Cochofel: o artigo "Notas Soltas acerca da Arte, dos Artistas e do Público". Depois de criticar o amadorismo de certos escritores e um tipo de arte que não serve as funções de conhecimento e transformação, defende que "para que a arte ganhe a têmpera de um verdadeiro gládio [...] e não resulte numa ridícula espada de papelão [...], necessário se torna que o artista esteja de posse dos segredos do respetivo fabrico. Em suma: é preciso que o artista tenha meditado os meios ao seu dispor, a forma eficiente de dar corpo ao que quer exprimir". Sem cair no formalismo, a missão social do artista consistiria, assim, em estudar a forma específica de que a expressão artística se reveste, a fim de torná-la eficiente e a fim de poder elucidar o público para que este a possa compreender. A solução, pois, para a comunicação com o público, para o seu esclarecimento, para a sua consciencialização, não reside em baixar o nível da expressão facilitando a acessibilidade da arte, o que redundaria em "lisonjear aquilo mesmo que se pretende combater, ou seja, a alienação do grande público", mas, pelo contrário, em prepará-lo para aceitar, sentir e entender a expressão artística.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Iniciação Estética Seguida de Críticas e Crónicas na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-10-06 06:09:10]. Disponível em
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Iniciação Estética Seguida de Críticas e Crónicas na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-10-06 06:09:10]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais