Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Isabel Pires de Lima

Política portuguesa e professora universitária ligada às Letras, nascida a 17 de julho de 1952, no Porto, licenciou-se em Filologia Românica e fez o doutoramento em Literatura Portuguesa.
Tornou-se professora na Faculdade de Letras do Porto, especializada em Literatura Portuguesa.
Isabel Pires de Lima destacou-se como especialista na obra de Eça de Queiroz, tendo integrado o Conselho Cultural da Fundação Eça de Queiroz.
Isabel Pires de Lima, política portuguesa
Ao longo da sua carreira, escreveu mais de cem artigos para jornais e revistas na área da crítica e dos estudos literários.
Escreveu também diversos livros desde 1987, ano em que lançou As Máscaras do Desengano – Para Uma Leitura Sociológica de "Os Maias" de Eça de Queiroz. Três anos mais tarde, coordenou a obra Eça e "Os Maias" Cem Anos Depois e, em 1992, responsabilizou-se pela parte portuguesa de Lettres Européennes – Histoire de la Littérature Européene. Isabel Pires de Lima coordenou ainda obras sobre Antero de Quental e Óscar Lopes. Sobre este último ensaísta, produziu um documentário que foi apresentado na Feira do Livro do Porto de 2005.
Em 1995, foi a responsável científica do Colóquio Internacional Eça de Queiroz - 150 Anos do Nascimento, que teve lugar em Sintra. No ano seguinte, desempenhou igual função no Encontro "Neorealismo/Neorealismos", que decorreu em Matosinhos Em 1998, foi comissária científica do Encontro de Literaturas Ibero-Americanas organizado pelo Instituto Camões.
Integrou o júri de diversos prémios literários, nomeadamente o da quinta edição do encontro de escritores Correntes d'Escritas realizado na Póvoa de Varzim em 2005.
Ocupou cargos em diversas instituições culturais, como a Associação Portuguesa de Escritores, a Associação Internacional de Lusitanistas e a Cooperativa Artística Árvore.
Paralelamente à atividade profissional dedicou-se à política, tendo sido militante do Partido Comunista Português entre 1976 e 1991.
Em 1999, Isabel Pires de Lima ocupou pela primeira vez um cargo político nacional, ao ser eleita deputada à Assembleia da República. Concorreu como independente pelas listas do Porto do Partido Socialista. No exercício das funções de deputada, representou a Assembleia da República no Conselho Nacional de Educação.
Ocupou o cargo de ministra da Cultura do XVII Governo Constitucional, liderado pelo primeiro-ministro José Sócrates, do Partido Socialista, de 12 de março de 2005 a 29 de janeiro de 2008, altura em que foi substituída por José Pinto Ribeiro.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Isabel Pires de Lima na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-18 21:10:23]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros