Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

J. R. R. Tolkien

Professor de Língua e Literatura Inglesas, filólogo e medievalista, que se tornou famoso como escritor com a sua trilogia O Senhor dos Anéis (1954-55).
Tolkien nasceu em 1892, em Bloemfontein, na África do Sul, de pais britânicos. Com apenas três anos de idade, foi viver para Inglaterra com a mãe, Mabel Tolkien e, após a sua morte, em 1904, tomou guarida em Birmingham, juntamente com o seu irmão, Hilary, em casa de uma tia.
Deu início aos seus estudos universitários em Língua e Literatura Inglesas em Oxford, em 1908, ano em que conheceu a sua futura esposa, Edith Bratt, com quem casaria em 1916. Concluiria o seu diploma com honras e louvores em 1915.
J. R. R. Tolkien, escritor britânico
Pormenor do poster de um dos filmes da trilogia "O Senhor dos Anéis", baseados na obra de J. R. R. Tolkien
Durante a Primeira Guerra Mundial, Tolkien cumpriu o serviço militar nos Lancashire Fusiliers, e chegou a ter batismo de fogo na batalha do Somme, de onde foi evacuado após haver contraído a febre das trincheiras. Teria sido durante a convalescença que daria início tanto ao estudo de formas arcaicas de linguagem, estudo esse que viria a estender ao domínio do seu trabalho de ficção, bem como à criação da obra Silmarillion, que viria a ser publicada postumamente, em 1977.
Em 1918, Tolkien fez parte da equipa do New English Dictionary e, no ano seguinte, exerceu as funções de professor livre em Oxford. Ocupou depois o cargo de assistente na Universidade de Leeds, ascendendo rapidamente à posição de professor catedrático na mesma instituição. Foi também professor catedrático de Estudos Anglo-Saxónicos de novo em Oxford, tendo sido nomeado, em 1945 para uma bolsa Merton para o ensino e investigação. Os seus trabalhos académicos incluíam estudos de Chaucer (1934) e uma edição de Beowulf (1937).
Durante este período, demonstrou também interesse pela epopeia nacional finlandesa, o Kalevala, onde teria encontrado ideias, não só para a sua língua imaginária, o Guenya, como também para a trama de algumas das suas histórias. Não obstante, grande parte dos habitantes da Terra Média de Tolkien teriam sido derivados do folklore e da mitologia inglesas, ou de um passado anglo-saxónico idealizado.
Publicou a sua primeira obra de ficção, The Hobbit, em 1937, que teria sido uma adaptação de histórias contadas aos próprios filhos, e cujas personagens iriam reaparecer em O Senhor dos Anéis, uma trilogia em que descreve a vida, a história e a cosmogonia da mitológica Terra Média, um mundo de fantasia habitado por seres fabulosos, e para o qual inventou várias línguas, entre as quais a mais notável seria o Élfico.
Em meados dos anos 60, as edições de bolso piratas norte-americanas de O Senhor do Anéis transformaram a trilogia numa obra de culto, que se viria a propagar ao longo das décadas seguintes, atingindo uma mais vasta popularidade quando a primeira parte da obra, A Irmandade do Anel, se estreou como filme, em 2001. Ao longo desse espaço de tempo, a senda de admiradores do mundo criado por Tolkien muito fez para continuar e desenvolver as suas ideias: para além da panóplia de produtos comerciais dedicados ao tema, inúmeras associações apareceram com o propósito de aperfeiçoar os idiomas que o autor imaginou, de fazer a exegese da sua obra e mesmo, em alguns casos, de lhe dar sequência com novas histórias.
Tolkien havia regressado a Oxford em 1971, logo após a morte da sua esposa. Em 1972 foi condecorado pela Rainha de Inglaterra com a honra de Commander of the British Empire, e veio a falecer, em Bournemouth, a 2 de setembro de 1973.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – J. R. R. Tolkien na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-20 03:29:09]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais