Academia Virtual - O Poder da Voz

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jaime Batalha Reis

Jornalista, crítico literário, economista e diplomata, Jaime Batalha Reis nasceu a 24 de dezembro de 1847, em Lisboa, e morreu a 24 de janeiro de 1935, em Torres Vedras.
Membro destacado da chamada Geração de 70, foi engenheiro florestal, professor no Instituto Geral de Agricultura, diplomata, escritor e um dos organizadores do movimento socialista em Portugal. Entre 1868 e 1870, travou conhecimento com Eça de Queirós e Antero de Quental, com quem criou a personagem de Carlos Fradique Mendes, poeta satânico, amigo de Baudelaire. A partir de 1870, formou-se na sua casa ao Bairro Alto uma tertúlia literária e política que ficou conhecida como o "Cenáculo", frequentada por Antero de Quental, Eça de Queirós, Salomão Sáragga, Manuel Arriaga, Guerra Junqueiro, Teófilo Braga e Ramalho Ortigão, entre outros. Aí nasceu o projeto das Conferências Democráticas do Casino, realizadas em 1871, cujo programa foi assinado por Batalha Reis, juntamente com Antero, Eça, Teófilo e outros. Batalha Reis não chegou, contudo, a proferir a sua conferência, que deveria intitular-se "O socialismo", devido à súbita proibição das conferências por decreto ministerial. Nessa altura, dirigiu pessoalmente uma carta-aberta ao Marquês de Ávila e Bolama, o ministro responsável pelo encerramento, intitulada "Eu sou socialista", protestando contra o conservadorismo e a hipocrisia do poder político. Em 1875, dirigiu, juntamente com Antero de Quental e Oliveira Martins, a Revista Ocidental.
Em 1883, ingressou na carreira diplomática, ocupando o cargo de cônsul em Newcastle. Por essa altura, colaborou em vários periódicos portugueses e estrangeiros, como a Gazeta de Notícias, do Rio de Janeiro, O Repórter (onde assinou uma série de crónicas reunidas sob o título de Revista Inglesa), de Oliveira Martins, A Ilustração, de Mariano Pina, e a Revista de Portugal, de Eça de Queirós, entre muitos outros. De 1886 a 1889, foi encarregue de várias missões diplomáticas em Londres, Paris, Madrid e Berlim, no âmbito das negociações do Governo português sobre o domínio colonial em África. Em 1897, assumiu o cargo de cônsul em Londres.
Jaime Batalha Reis
Em funções de natureza diplomática, representou Portugal em muitos congressos internacionais e foi incumbido de diversas missões no estrangeiro.
A sua conferência sobre a definição da geografia como ciência, no Congresso Internacional de Geografia de Londres, de 1895, teve influência decisiva para o estabelecimento da geografia científica em Portugal. Aliás, foi figura proeminente da Sociedade de Geografia de Lisboa.
Em 1901, prefaciou a edição póstuma das Prosas Bárbaras, de Eça de Queirós. É autor também do capítulo "Anos de Lisboa" no In Memoriam a Antero de Quental. Para o teatro escreveu, em colaboração com D. João da Câmara, Lopes de Mendonça, Moura Cabral e outros, a farsa O Burro em Pancas, representada no Teatro Avenida em 1892.
Já depois da implantação da República, ingressou no Ministério dos Negócios Estrangeiros. Em 1918, ao atravessar a Rússia, assistiu aos dramáticos acontecimentos da guerra civil nesse país. No mesmo ano, foi o delegado português à Conferência de Paz de Paris.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Jaime Batalha Reis na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-10-02 02:27:20]. Disponível em
Artigos
ver+
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Jaime Batalha Reis na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-10-02 02:27:20]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais