Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Jane Wyman

De seu verdadeiro nome Sarah Jane Mayfield, a atriz nasceu a 4 de janeiro de 1914, na pequena cidade de Saint Joseph, nos Estados Unidos da América, e faleceu a 10 de setembro de 2007, em Palm Springs, Califórnia. Filha da obscura atriz do cinema mudo Lejerne Pichelle, ainda chegou a fazer testes de câmara com a mãe em 1921, mas os produtores consideraram que lhe faltava presença. Regressou ao mundo artístico em 1932, onde, sob o nome de Jane Durrell, se tornou uma cantora de rádio. Foi chamada a Hollywood para se estrear num minúsculo papel na comédia The Kid From Spain (Toureiro À Força, 1932). Depois de uma série de participações pouco significativas, teve o seu primeiro papel de protagonista em The King and The Chorus Girl (O Rei e a Corista, 1937). Conheceu o ainda ator Ronald Reagan durante as filmagens de Brother Rat (O Diabo São os Rapazes, 1938), com quem contraiu matrimónio dois anos depois. Nos anos 40 e 50, Wyman tornou-se uma das estrelas mais requisitadas pelos grandes realizadores de Hollywood: o seu primeiro intenso trabalho dramático foi ao lado de Ray Milland, em The Lost Weekend (Farrapo Humano, 1945). Com o filme juvenil The Yearling (O Despertar, 1946), recebeu a sua primeira nomeação para o Óscar de Melhor Atriz por uma mulher do campo, mãe de um rapaz que estabelece uma grande amizade com um cervo. A atriz não teve que esperar muito pela consagração: o papel de uma surda-muda que sofre uma violação em Johnny Belinda (Belinda, a Escrava do Silêncio, 1948) valeu-lhe o Óscar de Melhor Atriz. No mesmo ano, divorciou-se de Reagan. Apesar disso, o prémio proporcionou-lhe a possibilidade de trabalhar com os realizadores mais credenciados de então, como Alfred Hitchcock, em Stage Fright (Pavor nos Bastidores, 1950), e Frank Capra, em Here Comes the Groom (A Sorte Bate à Porta, 1951). Na década de 50, o melodrama foi o seu principal campo de trabalho: obteve nomeações para o Óscar por The Blue Veil (O Véu Azul, 1951) e Magnificent Obsession (Sublime Expiação, 1954) e reconhecimento crítico por All That Heaven Allows (O Que o Céu Permite, 1955). Os sucessivos escândalos pessoais e divórcios prejudicaram bastante a sua carreira: na década de 60, participou apenas em três filmes, o último dos quais marcaria a sua despedida do cinema: How to Commit Marriage (1969), uma medíocre comédia em que contracenou com o humorista Bob Hope. A partir daí, encontrou refúgio na televisão, onde, entre outros trabalhos, protagonizou a série Falcon Crest (1981-90) encarnando uma matriarca milionária e sem escrúpulos que luta por manter um império vinhateiro.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Jane Wyman na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-04 15:30:02]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros