Academia Virtual - O Poder da Voz

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

João de Melo

Poeta, ficcionista e investigador literário, formado em Filologia Românica pela Universidade de Lisboa, professor no ensino secundário. Colaborou em A Memória da Água-Viva, Aresta, África, Colóquio/Letras, Vértice. Preparou uma Antologia Panorâmica do Conto Açoriano, dos séculos XIX e XX, em 1978, e uma antologia literária da guerra colonial, Os Anos da Guerra: 1961-1975 (Lisboa, 1988). No domínio do ensaio, debruçou-se sobre a produção literária açoriana contemporânea, procurando as suas coordenadas de literatura insular. Refletindo em A Memória de Ver Matar e Morrer e Autópsia de um Mar em Ruínas a experiência pessoal na guerra colonial, entre 1971 e 1974, a sua ficção remete para a reflexão sobre a experiência insular, no âmbito da reescrita de uma história genesíaca e civilizacional universal para a qual concorrem vários registos de discurso. As diretivas literárias que apõe a cada volume da coleção "O Chão da Palavra", que dirigiu na editorial Veja, entre os anos 70 e 80 e que contribuiu para a divulgação de autores como António Lobo Antunes ou Maria Ondina Braga, podem, até certo ponto, aplicar-se às suas premissas como ficcionista: aí, depois de definir a palavra literária como comunicação oposta ao "registo fácil da vida" e assumindo no corpo do texto "a fisiologia das suas próprias referências", aponta, como perspetivas fundamentais do texto literário, "superar o adormecido mundo das trevas, encontrar caminho na libertação do Homem através da cultura, subir a pulso a corda firme da produção da ideia e da ideologia no progresso; contribuir para que o nosso Povo vire em cada página a sua própria página de identificação e de certeza; dignificar uma aposta, hoje tão dispersa, no rumo certo da palavra e da vida. // No grande seio materno da Língua Portuguesa".
A vida rural açoriana e a guerra colonial são os temas básicos da obra de João de Melo
João de Melo organizou uma antologia de textos literários sobre a guerra colonial
Ficcionista, investigador literário e professor do ensino secundário, João de Melo nasceu nos Açores
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – João de Melo na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-10-01 19:40:43]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais