Livros & Autores

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

John Bowlby

Psicanalista inglês nascido em 1907, em Inglaterra, e ficou conhecido por ter sido o primeiro psicanalista a ter proposto um modelo de desenvolvimento e de funcionamento da personalidade - ou teoria dos instintos - que se distancia da teoria das pulsões de Freud. A sua obra centra-se essencialmente em duas noções: o comportamento instintivo e a vinculação.
Bowlby procurou uma conciliação entre a Psicanálise e a Etologia, mas acabou por ser expulso da Sociedade de Psicanálise por heterodoxia. Há sem dúvida um nítido e progressivo afastamento de Bowlby das primeiras teses da psicanálise. O aspeto essencial da rutura com esta corrente está ligado à teoria do instinto. Para Freud, o instinto é uma pulsão, é um conceito energético, energia excedentária que tem origem numa fonte, e que tem de ser descarregada. É um modelo que está muito relacionado com a termodinâmica e que Bowlby não aceita, pois tem uma posição não energética mas sim cibernética do comportamento instintivo.
Para Bowlby "o comportamento instintivo é equacionado em termos de um ato que executa um plano. Sustenta que a execução de um plano é iniciada quando o organismo perceciona certa informação (percebida pelos órgãos sensoriais e proveniente de fontes internas ou externas) que é orientada e terminada pela contínua receção de novos conjuntos de informação que têm origem nos resultados da ação executada (percebidos pelos órgãos sensoriais e provenientes de fontes externas ou internas)."
John Bowlby
Na sua teoria Bowlby aborda, então, os chamados vetores instintivos. Um desses vetores fundamentais, sobretudo nas crianças, é a vinculação. Para Bowlby o instinto de vinculação leva o sujeito a procurar manter uma situação de proximidade espacial, "propensão para estar próximo de", sobretudo em situações de alarme - se não houver proximidade, o sujeito pode experenciar medo, insegurança, que muitas vezes não consegue identificar em associação a uma relação causal.
Esta tensão é reduzida e desaparece até quando se recriem situações de proximidade espacial com a mãe, situações essas que vão desde estar a um metro da mãe, ou ser mais intenso e levar o individuo a procurar o contacto corporal ou a solicitar por exemplo o colo maternal.
Há que ter em conta que não só a força e a intensidade variam de situação para situação, assim como nem sempre os comportamentos de vinculação se encontram em fase de ativação visível. Por vezes, o paradeiro da mãe está perfeitamente resolvido para a criança, enquanto que, outras vezes, a situação de alarme não é suficientemente forte para a criança se preocupar.
Segundo Bowlby, há fatores que interagem e são suscetíveis de ativar os vetores de vinculação ou aumentar a sua intensidade, tais como: as condições internas da criança (fadiga, fome, dor), a localização e resposta da mãe, as características ambientais, etc. Tudo isto são, portanto, mecanismos inatos desencadeadores da ação.
O instinto de vinculação é pois um elemento organizador importante da atividade sócio-emocional da criança. A vinculação surge assim, segundo Bowlby, como uma realidade instintiva. Na base desse instinto encontra-se uma relação forte da criança com a mãe. Neste sentido, Bowlby pode ser considerado um inovador na forma como abordou as relações precoces mãe-filho.
Obras principais de Bowlby:
A natureza da ligação da criança com a mãe
Attachment and Loss
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – John Bowlby na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-01 11:47:32]. Disponível em

Livros & Autores

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros