Livros e Autores

Abelhas Cinzentas

Andrei Kurkov

A aldeia das almas desaparecidas

Richard Zimler

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Bom português

puder ou poder?

ver mais

trás ou traz?

ver mais

impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jorge Huet Bacelar

Poeta e engenheiro técnico agrícola angolano, Jorge Huet Bacelar nasceu no dia 31 de outubro de 1934, na Murtosa, distrito de Aveiro, em Portugal.
Depois de ter concluído o curso de engenheiro técnico agrícola, foi para Angola, já com vinte e quatro anos de idade onde viveu até 1975, ano da declaração da independência deste país, exercendo funções na área da agronomia.
Foi cofundador do grupo literário e da revista Vetor e colabora na secção "Artes e Letras" da página literária do jornal A Província de Angola, no jornal Ecos do Norte e também na revista Vetor.
Pertencendo à "geração de 70", a sua poesia, como a de muitos outros nomes desta geração, a saber, entre outros, Manuela Abreu, Manuel Rui, Jofre Rocha, David Mestre, Ruy Duarte de Carvalho e Arlindo Barbeitos, enquanto o fruto da euforia da independência, exalta a certeza da liberdade e da recuperação da nacionalidade, procurando e incentivando a reconstrução da Pátria ferida de morte. Então, o mar enforma-se na poesia como o caminho que é necessário percorrer para reconstruir as culturas africanas locais, com saberes, sabores e ritmos, descaracterizadas e mesmo destruídas pelo poder colonial.
Assentando num projeto de depuração da linguagem literária, esta poesia, com marcas engagées, recorre ainda circunstancialmente a referências e marcas das línguas locais, como resultado de um compromisso ético com a realidade linguística nacional.
Por outro lado, o autor, na linha de muitos outros, intensifica o seu processo metapoético que lhe permite fazer, através dos seus versos, uma profunda reflexão sobre o processo estético, sem contudo deixar de refletir e analisar a realidade social que o envolve: "Abri em rosas/A ferida mais secreta/Do teu corpo/Eram Vermelhas.(...)".
Jorge Huet Bacelar, como poeta dos anos 70, apresenta uma poesia que procura refletir sobre o valor e a forma do poder da palavra e da imaginação criadora, constituindo-se como o lugar em que o poeta se encontra consigo mesmo e se vira para dentro para intensificar o processo metapoético. Esta viragem intimista explica a denominação de "Geração do Silêncio" atribuída por Luís Kandjimbo aos escritores da geração de 70.
Sem nenhum livro publicado, os seus trabalhos de poesia encontram-se dispersos por diversas antologias, nomeadamente No Reino de Caliban. Antologia Panorâmica da Poesia Africana de Expressão Portuguesa e na Antologia do Mar na Poesia Africana de Língua Portuguesa do Séc. XX, coordenada por Carmen Lúcia Tindó Ribeiro Secco e publicada pela Editorial Kilomlombe, aquando da comemoração dos vinte e cinco anos da Independência de Angola.
É Membro da União de Escritores Angolanos(UEA).
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Jorge Huet Bacelar na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-11-27 05:11:33]. Disponível em
Artigos
ver+
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Jorge Huet Bacelar na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-11-27 05:11:33]. Disponível em
Livros e Autores

Abelhas Cinzentas

Andrei Kurkov

A aldeia das almas desaparecidas

Richard Zimler

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Bom português

puder ou poder?

ver mais

trás ou traz?

ver mais

impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais