Livros e Autores

Abelhas Cinzentas

Andrei Kurkov

A aldeia das almas desaparecidas

Richard Zimler

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Bom português

puder ou poder?

ver mais

trás ou traz?

ver mais

impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jorge Semprún

Escritor espanhol nascido a 10 de dezembro de 1923, em Madrid.
Em 1937, durante a guerra civil espanhola, foi com a família para Paris, em França, tendo continuado os seus estudos em Filosofia na Universidade da Sorbonne.
Aos 18 anos, aderiu a uma organização comunista da Resistência Francesa, que lutava contra a ocupação alemã durante a Segunda Guerra Mundial. No ano seguinte ingressou no Partido Comunista Espanhol.
Em 1943 foi preso pela Gestapo, a polícia secreta nazi, e enviado para o campo de concentração de Buchenwald, na Alemanha. Dois anos depois, no ano em terminou a guerra, Semprún regressou a Paris, tendo passado a trabalhar como tradutor para a UNESCO, função que desempenhou até 1952. Paralelamente, trabalhou na revista Temps Modernes.
A partir de 1953 passou a coordenar as atividades clandestinas de resistência ao regime de Franco, que dominava Espanha de forma ditatorial. Mais tarde, Semprún passou a integrar o Comité Central do partido.
Entre 1957 e 1962, adotou o nome de código Federico Sanchez e foi o responsável pelas ações clandestinas do Partido Comunista em Espanha.
No ano seguinte, dedicou-se também à escrita e lançou Le Grand Voyage (A Grande Viagem). Apesar de ser espanhol, Semprún optou quase sempre por escrever os seus romances em francês. Por esta obra, de carácter autobiográfico, recebeu o Prémio Formentor e o Prémio Literário da Resistência. A Grande Viagem foi reeditado em Portugal em 2002.
Em 1964 foi expulso do Partido Comunista por discordar das linhas orientadoras do partido. Passou então a dedicar-se por inteiro à escrita de romances e de argumentos para cinema.
Três anos mais tarde, foi nomeado para um Óscar da Academia de Hollywood pelo argumento que escreveu para o filme do realizador francês Alain Resnais La Guerre este Finie, em 1969 recebeu o Prémio Fémina pelo romance La Deuxième mort de Ramon Mercader.
Na segunda metade dos anos 70 lançou Autobiografía de Federico Sánchez, com a qual ganhou o Prémio Planeta, um dos mais prestigiados galardões literários de Espanha.
Entre 1988 e 1991 regressou a Espanha e foi ministro da Cultura, no governo socialista de Felipe González. Quando deixou o cargo regressou a Paris.
Logo nesse ano editou Federico Sanchez Vous Salue Bien (O Adeus de Federico Sánchez), seguindo-se três anos mais tarde L'écriture ou la vie (A Escrita ou a Vida). Ainda em 1994 recebeu o Prémio da Paz durante a Feira do Livro de Frankfurt, na Alemanha e, no ano seguinte, o Prémio dos Direitos Humanos, graças a A Escrita ou A vida.
No início do século XXI, lançou Viviré com su Nombre, Morirá com el Mio (2001).
Em 2003, pela primeira vez, Jorge Semprún escreveu um romance na sua língua-materna, o castelhano. Veinte Años Y Un Día (Vinte Anos e Um Dia), editado em Portugal em 2004, foi considerado o melhor romance espanhol de 2003 pelos editores de Espanha.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Jorge Semprún na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-11-28 09:15:56]. Disponível em
Livros e Autores

Abelhas Cinzentas

Andrei Kurkov

A aldeia das almas desaparecidas

Richard Zimler

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Bom português

puder ou poder?

ver mais

trás ou traz?

ver mais

impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais