Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

José Gomes Ferreira

Escritor português nascido a 9 de junho de 1900, no Porto, e falecido a 8 de fevereiro de 1985, em Lisboa. Licenciou-se em Direito em 1924, na Universidade de Lisboa, e foi cônsul na Noruega de 1926 a 1929. Nos anos 30 a 50, traduz fitas cinematográficas e redige, sob vários pseudónimos, crónicas, historietas, intrigas policiais, para pequenas publicações, ao mesmo tempo que colabora nas revistas, jornais e antologias poéticas Presença, Galo, O Diabo, Revista de Portugal, Portucale, Gazeta Musical e de Todas as Artes, Europa, Cadernos do Meio-Dia. A partir de 1948, inicia a publicação da sua obra poética, reunida posteriormente nos três volumes de Poeta Militante - Viagem do Século Vinte em Mim, uma criação poética caracterizada pela violência da denúncia de todo o tipo de situações de injustiça e de alienação, de permanente "contestação do real ou, antes, da aparência a que chamamos realidade. Contestação da sua mecânica feroz, do seu artificialismo absurdo, do seu não-sentido, da sua falta de imaginação" (ROSA, A. Ramos, Vértice, n.° 473, 1986).
Politicamente, opôs-se à ditadura de Sidónio Pais e, mais tarde, à de Oliveira Salazar, tendo sido em 1979, já depois da revolução do 25 de abril, candidato pela APU para Lisboa, e em 1980 filiado no PCP. Foi condecorado grande oficial da Ordem Militar de Santiago de Espada por Ramalho Eanes.
José Gomes Ferreira é também autor de uma considerável obra em prosa, ficcional e de recriação de memórias, marcada, desde as conhecidas Aventuras de João Sem Medo, pelo simbolismo, por situações surrealizantes, pela criação de um novo imaginário de mitos e sonhos, que não decorre do absurdo, mas de uma linguagem alegorizante, imposta por uma situação de escrita subversiva sob a censura e ditada pela crença íntima no poder da imaginação para "enobrecer e embelezar todos os sentimentos reles e as coisas vis da terra" (de O Sabor das Trevas: romance alegoria dos tempos amargos, Lisboa, 1976, p. 164).
José Gomes Ferreira, escritor e poeta português
A sua poesia encontra-se coligida em Poeta Militante (6 vols., 1977-78). No domínio da ficção, publicou O Mundo dos Outros (1950), Aventuras Maravilhosas de João Sem Medo (1963), Tempo Escandinavo (1969) e O Irreal Quotidiano (1971). Merecem também referência as suas memórias, com o título A Memória das Palavras (ou o Gosto de Falar de Mim) (1965). Em 1961 recebeu o "Grande Prémio da Poesia", atribuído pela Sociedade Portuguesa de Escritores à sua obra Poesia III.
Da sua escrita ressalta uma grande preocupação humanística, com constante atenção aos problemas do nosso tempo, glosando temas como a liberdade, a dignidade humana e a solidariedade para com os outros, sobretudo no sofrimento.
Foi Presidente da Associação Portuguesa de Escritores em 1978.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – José Gomes Ferreira na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-20 03:18:50]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros