Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Lampadário de Cristal

O poema Lampadário de Cristal foi escrito por Frei Jerónimo Baía, poeta barroco, nascido em 1620 e falecido em 1688. Ligado à Corte, é, no entanto, representativo dos poetas seus contemporâneos.

Apesar de ainda existirem incertezas quanto à sua publicação, dado que as versões que se conhecem, impressas na Fénix Renascida, (cancioneiro barroco), não são datadas, uma das datas apontadas, entre outras, mais ou menos próxima, é a de 1667. Esta data, que parece criar alguma aceitação, coincide com a oferta e chegada a Portugal de um candeeiro artisticamente sumptuoso, oferecido pelos Duques de Saboia a sua irmã, D. Maria Francisca de Saboia, casada com D. Afonso VI. Não se sabendo se o seu casamento com este monarca já tinha ou não sido anulado (24 de março de 1668) para casar com o príncipe D. Pedro em 2 de abril do mesmo ano, esta dúvida é legitimada pela dedicatória de Jerónimo Baía que introduz o poema. A chegada deste presente, entregue na Corte pelas mãos do Embaixador Piossasco, causou um enorme impacto.

Poema barroco, Lampadário de Cristal é integrado na chamada poesia de circunstância, na "arte de salão", enquanto forma de convívio e divertimento, que servia as necessidades de agradecimento cortesão, obrigando-se a contar "cantando" (poeticamente celebrando) tudo o que acontecesse na Corte, mesmo os "fait-divers" (feitos pouco importantes).

O texto da versão que se conhece é formado por 1280 versos, agrupados em estrofes irregulares no que respeita à sua extensão e à sua ordenação. A métrica dos versos é irregular, encontrando-se, porém, uma "alternância irregular" mais visível de hendecassílabos e heptassílabos. De rima predominantemente emparelhada, o poeta recorre também à rima alternada, cruzada e mesmo à rima interna.

Integrado numa determinada estética (a barroca), este poema constituiu-se através de uma profusão de recursos estilísticos (quiasmo, inversão, paralelismo, etc.) e figuras de estilo (metáfora, hipérbole, etc.), conseguindo deslumbrar, espantar e maravilhar o leitor, tal e qual o candeeiro deslumbrou, espantou e maravilhou a Corte.

Classificado pelo próprio autor como um texto poético panegírico (género que germina neste século XVII, no período barroco), Lampadário de Cristal, hipérbole por excelência, louva e canta a grandeza do Monarca (e da Monarquia) que orienta e esclarece os seus súbditos, tal lampadário que a todos ilumina.

Como toda a arte literária barroca, este poema, manifesto exemplo da poesia cultista e conceptista em Portugal, desenvolve excelentemente a técnica da escrita, recorrendo ao jogo de palavras (cultismo), ao jogo de imagens e ao jogo de construções (conceptismo).


Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Lampadário de Cristal na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-05-21 08:09:05]. Disponível em

Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros