Academia Virtual - O Poder da Voz

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Lana Turner

Atriz norte-americana, de seu nome verdadeiro Julia Jean Mildred Frances Turner, nasceu a 8 de fevereiro de 1921, na pequena cidade de Wallace. Marcada por uma infância trágica, viu o pai ser assassinado durante um assalto, obrigando a família a partir para a Califórnia à procura de oportunidades de emprego. Em 1937, foi descoberta numa gelataria por um agente de Hollywood, que ficou fascinado pela sua beleza. Estreou-se como figurante no filme A Star Is Born (Nasceu uma Estrela, 1937) mas teve a desdita de ver as suas cenas cortadas na sala de montagem. Inicialmente, perdeu-se em papéis menores como em The Great Garrick (O Grande Garrick, 1937), Love Finds Andy Hardy (Os Filhos do Juiz Hardy, 1938). Nos anos 40, as portas do sucesso abriram-se-lhe, protagonizando filmes como Johnny Eager (1941), Somewhere I'll Find You (Tempestade no Pacífico, 1942) e The Postman Always Rings Twice (O Carteiro Toca Sempre Duas Vezes, 1946), talvez o filme mais emblemático da sua carreira, onde a sua sensualidade foi explorada ao máximo. Em seguida, foi uma altiva Milady de Winter em The Three Musketeers (Os Três Mosqueteiros, 1948), trabalhou sob as ordens de George Cukor em A Life of Her Own (Seguirei o Meu Destino, 1950) e interpretou uma diva cinematográfica de Hollywood em The Bad and the Beautiful (Cativos do Mal, 1952). A sua única nomeação para o Óscar de Melhor Atriz surgiu com Peyton Place (Amar Não É Pecado, 1957), onde desempenhou uma viúva preocupada com a vida desviada da sua filha adolescente (Diane Varsi). Apesar do seu sucesso, a vida sentimental de Turner fazia as parangonas dos principais tabloides: entre 1940 e 1957, casou-se cinco vezes. Em 1958, o seu nome foi envolvido num escândalo: o seu namorado Johnny Stompanato, com ligações à Mafia, fora diversas vezes apunhalado pela filha mais velha de Turner, que se cansara de ver os maus tratos infligidos à mãe. Tal publicidade negativa não a impediu de prosseguir a carreira: protagonizou Imitation of Life (O Espelho da Vida, 1958) e o melodrama Madame X (1966), em que desempenhou o papel de uma mulher que perde a sua fortuna e vê-se acusada de assassinato, sendo defendida em tribunal pelo próprio filho. A sua beleza física começa a esvanecer-se e as ofertas de trabalho a escassear. A partir daí, as suas aparições cingiram-se quase exclusivamente à televisão, em séries como The Survivors (1969-70) e Falcon Crest (1981-90). Acometida de um cancro na laringe, faleceu em Century City, a 29 de junho de 1995.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Lana Turner na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-10-05 03:07:25]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais